EUA aliviam restrições para Cuba

A Casa Branca aliviou ontem as restrições de viagem para Cuba e disse que os norte-americanos poderão enviar dinheiro mais livremente ao país, em nossos passos destinados a encorajar a aproximação com o povo cubano.

AE, Agência Estado

15 de janeiro de 2011 | 09h48

Com as mudanças, instituições religiosas e universidades envolvidas em estudos acadêmicos poderão organizar viagens a Cuba sem permissão prévia do governo dos EUA.

Além disso, outras instituições educacionais poderão pedir permissão para viagens especiais. Isso restaura o intercâmbio pessoal que foi instituído pelo presidente Bill Clinton, mas eliminado no governo do presidente George W. Bush.

As viagens puramente turísticas continuam ilegais. E o governo não propôs suspender o embargo comercial ao país.

As novas normas também permitirão que qualquer aeroporto qualificado possa fornecer serviço de voos charter licenciados para Cuba. Pela lei atual, só três aeroportos estão autorizados a oferecer os voos.

As normas permitirão ainda que qualquer norte-americano envie até US$ 500 por trimestre para pessoas que não sejam membros da família em Cuba, desde que não sejam altas autoridades do governo nem membros importantes do Partido Comunista. A quantia é maior do que o permitido sob o governo Clinton. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
EUACuba

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.