Doug Mills/NYT
Doug Mills/NYT

EUA alteram regras para deportação de jovens imigrantes

Governo vai conceder permissão de trabalho para quem chegar ao país quando criança e não tiver problemas com a lei

AE, Agência Estado

15 de junho de 2012 | 12h29

WASHINGTON - O governo do presidente Barack Obama vai deixar de deportar e vai conceder permissão de trabalho para jovens imigrantes ilegais que chegaram aos Estados Unidos quando crianças e não tiveram problemas com a lei. A decisão, tomada em ano eleitoral, responde a uma importante prioridade do influente eleitorado latino, que tem expressado sua oposição às políticas de imigração e ao número recorde de deportações registrado no ano passado.

Veja também:

linkLeis de imigração fazem EUA 'ficar para trás em corrida por cérebros'

linkPela 1ª vez, minorias étnicas compõem maioria de recém-nascidos nos EUA

linkProvável assunto de Dilma e Obama, isenção de visto pode ser realidade

A mudança de política, explicada para a Associated Press por dois graduados funcionários da administração, vai afetar cerca de 800 mil imigrantes que vivem sob o temor da deportação.

A alteração não precisa ser aprovada pelo Congresso e cumpre parcialmente os objetivos do chamado DREAM Act, um projeto aguardado, mas que não foi colocado em prática, que estabelece uma forma de conceder a cidadania a jovens que chegaram aos Estados Unidos como ilegais, mas que fizeram faculdade ou serviram o Exército.

A secretária de Segurança Interna Janet Napolitano deve anunciar a nova política nesta sexta-feira, uma semana antes de o presidente Barack Obama fazer um discurso durante a conferência anual da Associação Nacional de Autoridades Latinas Eleitas e Nomeadas, em Orlando, na Flórida. O candidato republicano à presidência, Mitt Romney, vai falar à organização na quinta-feira.

De acordo com o projeto, imigrantes ilegais ficarão imunes à deportação se chegaram aos Estados Unidos antes de fazerem 16 anos e hoje têm menos de 30, permaneceram no país por pelo menos cinco anos contínuos, não têm ficha criminal, concluíram o ensino secundário nos Estados Unidos ou obtiveram o diploma equivalente ou serviram o Exército.

Essas pessoas também podem solicitar uma permissão de trabalho que permanecerá em vigor por dois anos, sem limitação para renovação. As fontes que descreveram o programa falaram em condição de anonimato.

A medida não vai garantir a cidadania a esses imigrantes, mas vai eliminar a ameaça de deportação e conceder a permissão para que trabalhem legalmente no país. "Muitos desses jovens já contribuíram significativamente para o nosso país", escreveu Napolitano em memorando que descreve a ação do governo.

As informações são da Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
Barack Obamaimigraçãojovens

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.