EUA alteram relato sobre a morte do líder da Al-Qaeda no Iraque

Autoridades norte-americanas alteraram o relato sobre a morte do líder da rede terrorista Al-Qaeda no Iraque, Abu Musab al-Zarqawi, afirmando que ele estava vivo e parcialmente consciente quando foi encontrado, após bombas lançadas pelos EUA terem destruído seu esconderijo. A alteração do relato ocorreu depois que um iraquiano afirmou ter presenciado a ação e gerado perguntas, neste sábado, sobre os eventos relacionados à morte de um dos terroristas mais procurados pelos EUA.O iraquiano Mohammed Ahmed, que morava perto do local, afirmou que soldados norte-americanos teriam espancado uma pessoa ferida com traços semelhantes a Zarqawi até que seu nariz começasse a sangrar. Disse também que os residentes colocaram o homem em uma ambulância após o ataque, mas antes da chegada das forças norte-americanas. Ahmed declarou que as forças militares norte-americanas tiraram o homem do veículo e o espancaram depois de enrolar a sua cabeça com a vestimenta árabe que usava, conhecida como dishdasha. A versão norte-americanaAutoridades norte-americanas afirmavam que não houve nenhuma interação verbal ou física com Zarqawi antes de sua morte. Apenas informaram que ele tentou sair de uma maca.Ao ser perguntado sobre a versão da testemunha, o major general William Caldwell disse que faria uma investigação.O porta-voz Pentágono, Jeffrey Gordon, afirmou que ignorava a queixa. Inicialmente, os EUA declaram que Zarqawi morreu imediatamente. Mas novos detalhes sobre os momentos finais do líder terrorista surgiram na sexta-feira, indicando que a polícia iraquiana chegou primeiro ao lugar da cena e encontrou Zarqawi ainda vivo. A polícia iraquiana o retirou da casa destruída e o colocou em uma maca feita artesanalmente. Em seguida, as tropas norte-americanas chegaram. Segundo o porta-voz da Pentágono, os soldados norte-americanos teriam prestado socorro ao líder da Al Qaeda. "É óbvio que ele ainda conseguia fazer um certo reconhecimento de quem nós éramos e por isso tentou escapar da maca, e tentou fugir", afirmou Caldwell."Todos tentaram segurá-lo na maca, mas ele morreu imediatamente em razão das feridas provocadas pelos bombardeios", completou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.