EUA ameaçam tirar sede da Otan da Bélgica

O secretário de Defesa dos Estados Unidos, Donald H. Rumsfeld, advertiu a Bélgica de que processos de crimes de guerra contra o comandante da guerra no Iraque e outros oficiais americanos colocam em risco a permanência da sede da Otan no país. "Essa lei (sobre o processo de estrangeiros por crimes de guerra) coloca em sérias dúvidas se a Otan pode continuar promovendo encontros na Bélgica", afirmou Rumsfeld, numa entrevista coletiva. "É perfeitamente possível fazer as reuniões em outro lugar".Segundo ele, os EUA se oporiam a qualquer novo gasto na nova sede da Otan que está sendo construída em Bruxelas e deve ser inaugurada no fim da década, com custo estimado em pelo menos US$ 350 milhões. "Não faz muito sentido fazer uma nova sede se você não pode vir aqui para reuniões", adiantou Rumsfeld, depois de um encontro com ministros da Defesa da Otan.Autoridades americanas ficaram indignadas com processos apresentados contra o general Tommy Franks, que comandou as forças dos EUA na guerra no Iraque, baseados em leis que permitem que tribunais belgas julguem crimes de guerra, não importando em que local do mundo foram cometidos.Processos semelhantes já haviam sido apresentados contra o ex-presidente George Bush pai, o vice-presidente Dick Cheney e o secretário de Estado Colin Powell, por seus papéis na primeira Guerra do Golfo.Reagindo às reclamações dos EUA, o governo belga promoveu modificações na lei através do Parlamento - aceitando que uma petição pode ser transferida para o país do acusado, caso a nação disponha de um sistema judiciário justo e democrático. O primeiro-ministro Guy Verhofstadt enviou o caso de Franks para os EUA no mês passado, apesar de o advogado Jan Fermon estar apelando em nome de 19 iraquianos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.