REUTERS/Sue-Lin Wong
REUTERS/Sue-Lin Wong

EUA ampliam alerta de saúde na China após relatos de doença misteriosa

Funcionários de embaixada relataram sintomas semelhantes aos de lesão cerebral; governo chinês diz que investigou o caso e não encontrou explicações

O Estado de S.Paulo

08 Junho 2018 | 11h39

PEQUIM - O Departamento de Estado dos EUA emitiu, na sexta-feira, 8, um alerta de saúde para todo o território chinês, em meio a relatos de que diplomatas americanos no país sofreram uma doença misteriosa, semelhante a lesão cerebral. Os sintomas são os mesmos apresentados por funcionários dos Estados Unidos alocados em Cuba.

+ Diplomatas dos EUA são retirados da China sob suspeita de ataques sonoros

Um comunicado emitido em maio colocava apenas a cidade de Guangzhou, no sul da China, como alvo do alerta de saúde. O Departamento de Estado confirmou que um funcionário do consulado em Guangzhou havia sofrido um "incidente médico”. Depois disso, o governo mobilizou um time de médicos para examinar os funcionários e seus familiares.

+ Há décadas aparelhos sônicos são usados como armas não letais

Na quarta-feira, Washington anunciou que havia levado de volta aos Estados Unidos um grupo de pessoas do consulado para melhor avaliar seus sintomas. Além disso, passou a oferecer exames a qualquer um da embaixada de Pequim ou de outros consulados na China.

+ EUA retiram da embaixada em Cuba mais da metade de sua equipe por ‘ataques’ a diplomatas

+ EUA dizem que 19 turistas americanos reportaram sintomas de ataques em Cuba

Nesta sexta, o local do alerta de saúde foi mudado de Guangzhou para “nacional”. O governo chinês disse que investigou cuidadosamente o caso não encontrou nenhuma razão ou pista para explicá-lo. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.