EUA ampliam lista de empresas sírias sob sanção

Os Estados Unidos impuseram sanções a um dos maiores bancos da Síria e à maior empresa de telefonia celular, enquanto eleva a pressão sobre o presidente Bashar Assad para que el interrompa a brutal repressão contra manifestantes pró-democracia.

AE, Agência Estado

10 de agosto de 2011 | 14h01

O Departamento do Tesouro anunciou nesta quarta-feira que acrescentou o banco estatal Commercial Bank of Syria e sua subsidiária libanesa, o Syrian Lebanese Commercial Bank, e a empresa de telefonia móvel Syriatel à sua lista negra.

A medida congela qualquer ativo que as empresas tenham nos Estados Unidos e proíbe norte-americanos de fazerem negócios com estas companhias.

A decisão foi anunciada enquanto o governo se prepara para, pela primeira vez, pedir explicitamente que Assad deixe o poder. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
EUASíriasanções

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.