EUA apóiam atuação da OEA na Venezuela

O governo dos Estados Unidos disse que apoiará qualquer saída na Venezuela que conte com a participação da Organização dos Estados Americanos (OEA) e pediu à oposição que volte à mesa de diálogo para conseguir que a voz do povo seja ouvida por meio do voto. Essas intenções foram manifestadas por dois porta-vozes do Departamento de Estado norte-americano na segunda-feira, quando teve início na Venezuela a greve nacional destinada a pressionar o presidente Hugo Chávez para que deixe o poder. Em um alerta aos cidadãos americanos sobre os riscos de visitar a Venezuela estes dias, o porta-voz Phil Reeker disse ser necessário que todas as partes apóiem o secretário-geral da OEA, César Gaviria, retomem o diálogo e "busquem meios para que a voz soberana do povo venezuelano possa ser escutada por meio do voto". Uma declaração escrita por Reeker na sexta-feira, divulgada ontem, disse que os EUA "reiteram seu total apoio aos esforços" de Gaviria para "buscar uma solução pacífica, democrática, constitucional e eleitoral para a crise na Venezuela". Ao mesmo tempo, o principal porta-voz do Departamento de Estado, Richard Boucher, destacou na segunda-feira que na Venezuela existe uma situação política e de segurança "cada vez mais volátil", e que os esforços de Gaviria "oferecem uma oportunidade para o diálogo entre as diversas partes envolvidas e suas facções". "Esperamos que todos atuem com moderação em termos da greve e da reação a ela", afirmou. Ele pediu que o governo crie a oportunidade para o diálogo. "A capacidade da OEA é realmente a melhor oportunidade para se chegar a uma solução."

Agencia Estado,

03 Dezembro 2002 | 20h04

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.