Jorge Cabrera / Reuters
Jorge Cabrera / Reuters

EUA assinam lei que limita acesso da Nicarágua a empréstimos de organismos multilaterais

Decisão aumenta pressão sobre o governo do presidente Daniel Ortega, acusado de repressão à população

Redação, O Estado de S.Paulo

21 de dezembro de 2018 | 10h42

WASHINGTON - O presidente americano, Donald Trump, assinou nesta quinta-feira, 20, uma lei conhecida como “Nica Act” (Lei de Condicionalidade do Investimento da Nicarágua), que limita o acesso de Manágua a empréstimos de organismos multilaterais e aumenta a pressão sobre o governo do líder Daniel Ortega, acusado de repressão à população.

"Em um momento em que o povo da Nicarágua sofre há 8 meses a repressão de Ortega e seus cúmplices, o presidente promulgou minha #NICAAct para fazer o regime prestar contas", disse a congressista republicana Ileana Ros-Lehtinen, promotora da iniciativa.

O jornalista Carlos Fernando Chamorro, crítico ferrenho de Ortega, considerou que "estamos em uma crise terminal". Para ele, o presidente levou o país para "o precipício (...), destruindo a economia e a convivência, e só pode se manter pelo terror".

A polícia revistou e ocupou as redações do jornal digital Confidencial e seus programas de televisão “Esta Semana” e “Esta Noche”, de Chamorro.

Economia em apuros

Ex-guerrilheiro de 73 anos que ajudou a derrubar a ditadura de Anastasio Somoza em 1979, Ortega descartou antecipar as eleições de 2021 para 2019, como propuseram os bispos católicos durante a mediação de um frustrado diálogo com a oposição.

Ele também se negou a fazer reformas institucionais para sair da crise política que, em oito meses, deixou mais de 320 mortos, centenas de detidos e milhares de refugiados em países vizinhos.

Uma economia que projetava um crescimento de 4,9% para este ano se contrairá 4% pela crise, segundo o Conselho Superior da Empresa Privada (Cosep), que fala em perdas milionárias, além do fechamento de mais de 7 mil pequenos e médios negócios e da perda de mais de 400 mil vagas de trabalho. De acordo com empresários, em 2019 a economia se contrairá 11% se não houver uma saída para a crise política.

No governo desde 2007, Ortega é acusado de corrupção por seus adversários e de instalar uma ditadura ao lado de sua mulher, Rosario Murillo, que é vice-presidente. O governo "está totalmente isolado, mas eles (Ortega e Rosario) negam a realidade, dizendo que está tudo bem, que vai haver um Natal maravilhoso, e isso não pode continuar assim", afirmou o cientista político José Peraza. 

No fim de novembro os EUA aumentaram a pressão contra o governo de Ortega, com sanções econômicas contra dois altos funcionários, Rosario Murillo e o assessor de Segurança Nacional, Néstor Moncada.

Segundo o governo americano, quando as sanções foram aprovadas, o objetivo era “responsabilizar o regime de Ortega pelos protestos violentos e a corrupção generalizada que levou à morte de centenas de nicaraguenses inocentes”. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.