Kurdistan 24 Channel/AFP
Kurdistan 24 Channel/AFP

EUA atacam 'infraestrutura de milícias apoiadas pelo Irã' na Síria, diz Pentágono

Ordem do presidente foi dada após ataques de foguetes contra as forças dos EUA no Iraque e é a primeira decisão militar do democrata conhecida desde que assumiu, em 20 de janeiro; ONG diz que 17 combatentes morreram

Redação, O Estado de S.Paulo

25 de fevereiro de 2021 | 21h48
Atualizado 25 de fevereiro de 2021 | 23h29

WASHINGTON - O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, ordenou um ataque aéreo contra pontos de milícias apoiadas pelo Irã na Síria, após disparos de foguetes contra as forças americanas no Iraque nos últimos dias, informou o governo nesta quinta-feira, 25. Trata-se da primeira decisão militar tornada pública do presidente americano, que assumiu em 20 de janeiro. 

Segundo a organização Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH), que monitora o conflito na Síria, 17 combatentes pró-Irã morreram nos ataques. A informação, porém, não foi confirmada pelo governo americano. 

O porta-voz do Pentágono, John Kirby, disse que os disparos ocorreram "sob a direção do presidente Biden" e foram autorizados não apenas para responder aos recentes ataques contra as forças americanas e da coalizão, mas para lidar com "ameaças contínuas" a elas. O local atingido é usado por dois grupos de milícias apoiadas pelo Irã. Kirby informou, por comunicado, que Biden autorizou a ação militar após consultar aliados dos EUA, incluindo parceiros da coalizão.

Na terça-feira, Biden e o primeiro-ministro do Iraque, Mustafa Al-Kadhimi, discutiram por telefone os recentes ataques com foguetes no território iraquiano e concordaram que os responsáveis "deveriam ser responsabilizados totalmente", como informou a Casa Branca. 

"Especificamente, os ataques (americanos) destruíram várias instalações localizadas em um ponto de controle de fronteira usado por vários grupos de milícias apoiados pelo Irã, incluindo Kait'ib Hezbollah e Kait'ib Sayyid al Shuhada", disse Kirbry. "A operação envia uma mensagem inequívoca: o presidente Biden agirá para proteger o pessoal da coalizão americana. Ao mesmo tempo, agimos de maneira deliberada com o objetivo de reduzir a situação geral tanto no leste da Síria quanto no Iraque."

A maioria dos ataques das milícias contra o território iraquiano não causou vítimas, mas o último com foguete, na segunda-feira, foi o terceiro no Iraque em pouco mais de uma semana a atingir áreas da fortificada Zona Verde que hospeda soldados, diplomatas e contratados dos EUA. Os foguetes em tais ataques são normalmente disparados por grupos que as autoridades americanas e iraquianas dizem ter o apoio do Irã. 

Tudo o que sabemos sobre:
Joe BidenIrã [Ásia]Iraque [Ásia]

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.