EUA atacam instalações petrolíferas na Síria

Os Estados Unidos realizaram ataques aéreos durante a noite e na madrugada desta quinta-feira contra instalações petrolíferas na Síria comandadas pelo grupo Estado Islâmico, matando quase 20 pessoas.

Estadão Conteúdo

25 de setembro de 2014 | 09h33

Os mais recentes ataques aconteceram no terceiro dia da campanha aérea liderada pelos Estados Unidos com o objetivo de destruir uma das principais fontes de renda dos militantes. Os Estados Unidos conduzem os ataques aéreos contra o grupo também no vizinho Iraque há mais de um mês.

Acredita-se que o Estado Islâmico controle 11 campos de petróleo no Iraque e na Síria e ganhe mais de US$ 3 milhões por dia com o contrabando, roubo e extorsão. Esses recursos permitem o rápido avanço do grupo pela Síria no Iraque, onde instituiu um califado, impôs uma dura versão da lei islâmica e massacra seus oponentes.

Pelo menos quatro instalações petrolíferas e três campos de petróleo foram atingidos nas proximidades da cidade de Mayadeen, na província de Deir el-Zor, segundo o Observatório Sírio pelos Direitos Humanos, sediado em Londres.

Um terceiro grupo ativista leal aos militantes confirmou os relatos.

Ao menos 14 militantes foram mortos, disse o Observatório, que reúne suas informações a partir de uma rede de ativistas em território sírio. Outras cinco pessoas que vivem perto das refinarias na província de Hassakeh, nordeste do país, também foram mortas, informou o Observatório, acrescentando que elas eram provavelmente esposas e filhos de militantes.

Os ataques também tiveram como alvo bases militares síria tomadas pelo Estado Islâmico, além de edifícios usados pelo grupo como tribunal e um centro cultural na cidade de Mayadeen, disseram ativistas.

Segundo o Observatório, outros bombardeios tiveram como alvo a Frente Nusra, grupo sírio filiado à Al-Qaeda que tem combatido o Estado Islâmico e que é um dos grupos mais poderosos no combate às tropas do presidente Bashar Assad.

As ações contra a Frente Nusra sugerem uma operação mais ampla, que tem como alvo outros grupos militantes sírios vistos como ameaça potencial aos Estados Unidos.

O Observatório também relatou ataques aéreos perto da região curda, que vem sido atacada há quase uma semana pelos militantes do Estado Islâmico, o que provocou a fuga de mais de 150 mil pessoas para a vizinha Turquia. Mas não estava claro que país conduziu os ataques na área conhecida como Kobani ou Ayn Arab. Fonte: Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.