EUA atacam militantes no Paquistão e tensão entre países aumenta

Uma aeronave não tripulada dos Estados Unidos disparou mísseis contra militantes no Paquistão na quinta-feira, matando oito deles, informaram autoridades paquistanesas. Foi o terceiro ataque desse tipo desde que forças norte-americanas localizaram e mataram Osama bin Laden em seu esconderijo no Paquistão.

KAMRAN HAIDER, REUTERS

12 de maio de 2011 | 15h09

A morte do chefe da Al Qaeda em uma operação dos EUA em 2 de maio tensionou as relações entre Washington e Islamabad, com a suspeita por parte dos EUA de que o Paquistão sabia onde Bin Laden estava escondido, enquanto o Paquistão está indignado com a operação militar, que vê como violação de sua soberania.

Os ataques com aviões não tripulados também provocam a ira de muitos paquistaneses e são uma fonte de atritos entre os dois países aliados. O Paquistão faz objeção oficial aos ataques, apesar de autoridades norte-americanas dizerem que eles são realizados graças a um entendimento com o Paquistão.

De acordo com autoridades paquistanesas, um avião não tripulado disparou mísseis contra um veículo na região do norte do Uaziristão que se dirigia para a fronteira afegã, matando oito militantes.

"Pelo menos quatro aviões não tripulados ainda estavam sobrevoando a região", disse um dos funcionários paquistaneses, que se negou a ser identificado.

A CIA regularmente lança ataques com seus aviões sem pilotos contra militantes nas terras tribais pashtus que atravessam a fronteira do Afeganistão para combater forças ocidentais na região.

Mas o terceiro ataque desse tipo desde a morte de Bin Laden assinalou uma intensificação dos ataques, em comparação com as semanas anteriores à morte do militante saudita.

A operação militar norte-americana na mansão em que vivia Bin Laden constrangeu e enfureceu os militares paquistaneses e intensificou a tensão nas relações entre os dois países.

Autoridades paquistanesas disseram que o país provavelmente receberá 300 milhões de dólares dos EUA para pagamento dos custos da luta contra os militantes, apesar de parlamentares norte-americanos questionarem a ajuda dos EUA ao Paquistão, depois que Bin Laden foi encontrado naquele país. Alguns pediram que seja suspensa a assistência dada pelos EUA a Islamabad.

Os EUA pagaram ao Paquistão 7,4 bilhões de dólares desde 2001, quando os paquistaneses se juntaram à campanha liderada pelos norte-americanos contra a militância.

O Paquistão rejeita alegações de que ou teria sido incompetente em rastrear o responsável pelos ataques de 11 de setembro de 2001 contra os Estados Unidos, ou teria tido cumplicidade em ocultá-lo na cidade de Abbottabad, a apenas 50 quilômetros da capital Islamabad.

Os EUA querem interrogar as três esposas de Bin Laden, que foram encontradas em seu esconderijo após a operação da semana passada e estão sob custódia do Paquistão, mas o país ainda não permitiu que elas sejam interrogadas.

CRÍTICAS INTERNAS

A morte de Bin Laden também provocou críticas internas ao governo e às forças armadas do Paquistão, tanto pelo fato de Bin Laden ter podido viver no país aparentemente sem ser detectado, quanto pela operação secreta norte-americana.

O líder oposicionista e ex-premiê Nawaz Sharif acusou a poderosa agência de espionagem das forças armadas de negligência e incompetência.

Sharif, que lidera o maior partido da oposição, rejeitou uma decisão do governo de colocar um general do exército à frente de um inquérito sobre os lapsos de inteligência que levaram à morte de Bin Laden, pedindo em vez disso a criação de uma comissão judicial, para desfazer as dúvidas quanto à objetividade da investigação.

As forças especiais norte-americanas que chegaram do Afeganistão de helicóptero para matar Bin Laden não foram detectadas pelas forças paquistanesas.

Tudo o que sabemos sobre:
PAQUISTAOEUABINLADEN*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.