EUA aumentarão forças na Turquia e Golfo Pérsico

Os EUA preparam-se para aumentar rapidamente suas forças na Turquia e no Golfo Pérsico nas próximas semanas, como parte dos preparativos para um ataque ao território iraquiano - que fontes nos governos americano e britânico, bem como analistas militares, acreditam não ocorrerá antes de fevereiro. O secretário da Defesa, Donald Rumsfeld, deve assinar em até duas semanas ordem para deslocar 50 mil homens para a região, praticamente dobrando o contingente já ali estacionado (60 mil soldados).Simultaneamente, o país intensifica os contatos com aliados em busca de apoio para a intervenção.Hoje, um dia depois de o secretário americano de Estado, Colin Powell, ter qualificado o relatório iraquiano sobre armas de extermínio "omisso" e "fraudulento", os EUA começaram os esforços diplomáticos para convencer o Conselho de Segurança da ONU de que deve declarar o Iraque em "flagrante violação" da Resolução 1441 do próprio CS e, assim, autorizar a guerra. A configuração de ?flagrante material" seria o prelúdio para o ataque, na interpretação de Washington.O principal aliado dos EUA, a Grã-Bretanha, também apressa os planos para uma eventual conflito. Em mensagem de Natal para as Forças Armadas, o primeiro-ministro Tony Blair disse aos militares que se preparem para a guerra. "A questão-chave no momento é nos certificarmos de que estamos aptos para assumir esta missão, se couber a nós fazer isso", disse. O Ministério da Defesa do país admitiu pela primeira vez que está procurando balsas e navios para o transporte de armas e equipamentos de guerra, mas assegurou que um ataque não se realizará até o fim de fevereiro, até porque a chegada de embarcações e porta-aviões na região do Golfo levará de seis a oito semanas."Este envio permitirá à Grã-Bretanha ter pelo menos uma extensa divisão armada, com força substancial no Kuwait, para a segunda quinzena de fevereiro. Essa divisão estará pronta para uma guerra de grande magnitude no fim desse mês ou em março", disse um porta-voz. O Ministério informou que está tentando alugar, na iniciativa privada, três balsas de grande dimensão.Em conversa com repórteres na Casa Branca, o presidente dos EUA, George W. Bush, referiu-se à quinta-feira - dia em que Powell declarou o Iraque em "violação" da Resolução 1.441 - como "desapontadora para aqueles que anseiam a paz". Bush qualificou a declaração iraquiana de desencorajadora e insistiu em que os EUA "são sérios em seu propósito de manter a paz".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.