EUA bombardeiam Cabul em dia de orações

Bombardeiros norte-americanos dispararam contra Cabul nesta sexta-feira, dia dedicado pelos muçulmanos às orações. Diversas explosões foram registradas na cidade e uma área delimitada da Cruz Vermelha foi atingida pela segunda vez este mês. A milícia do Taleban anunciou ter capturado um conhecido membro da oposição, Haq, e um companheiro a cerca de 35 quilômetros de Cabul. Haq, um líder guerrilheiro da guerra contra os soviéticos, estaria no Afeganistão numa missão de paz em nome do ex-monarca afegão, rei Mohammad Zaher Shah, disse um assessor do rei em Roma. As forças aliadas dos Estados Unidos apóiam a participação do monarca num possível governo que substituirá o Taleban. Apesar dos seguidos ataques cujos alvos foram linhas de suprimento da capital afegã, as forças talebans parecem estar controlando a situação. Líderes da oposição disseram que os ataques foram fracos demais para derrubar a estrutura de suprimento do Taleban. Uma área da Cruz Vermelha usada para estocar material de ajuda humanitária foi atingido pelos bombardeios e suprimentos de arroz, feijão, colchões e óleo foram incendiados. A mesma área foi atingida em 16 de outubro. ?É a segunda vez que nossos armazéns são atingidos?, disse um funcionário da Cruz Vermelha, Abdul Rashid. ?É claro que estou triste porque tínhamos programas especiais para muitos dias e distribuiríamos esses itens a pessoas necessitadas?. Durante os bombardeios da noite passada, três crianças morreram, disseram funcionários do hospital Wazir Akbar Khan. Os Estados Unidos têm repetido que não estão atacando alvos civis, embora lamentem as mortes. Em um sermão numa das mesquitas de Cabul, hoje, um sacerdote islâmico disse: ?os infiéis atingem nossa nação até mesmo na sexta-feira. Eles são muito cruéis com nosso povo?. Pedindo que os fiéis se mantivessem pacientes ele afirmou: ?nós iremos vencer?. Leia o especial

Agencia Estado,

26 Outubro 2001 | 10h19

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.