EUA bombardeiam cidade tomada por islâmicos na Somália

Oficial do Pentágono confirma que aviões americanos atacaram um 'conhecido abrigo de terroristas'

Agência Estado e Associated Press,

03 de março de 2008 | 11h01

Aviões dispararam nesta segunda-feira, 3, três mísseis contra uma cidade da Somália dominada por islâmicos, destruindo uma casa e matando seis pessoas, entre elas crianças. Anciões responsabilizaram os militares dos EUA dos ataques. O Comando da África dos EUA e o Comando Central dos EUA afirmaram que desconheciam o ataque, mas um oficial no Pentágono, que exigiu anonimato, confirmou a agências internacionais que aviões americanos bombardearam um "conhecido abrigo de terroristas na Somália".   Os disparos ocorrem na cidade de Dobley, que fica cerca de seis quilômetros da fronteira do Quênia, que foi tomada na semana passada por forças islâmicas que já dominaram a maior parte do sul da Somália.   Autoridades locais disseram nesta segunda que muitas pessoas estavam fugindo da cidade. "Acordamos com uma forte explosão e quando saímos vimos que a casa vizinha estava completamente destruída, como se nunca houvesse casa ali antes", disse o morador Fatuma Abdullahi. "Estamos nos abrigando sob as árvores. Três aviões estavam voando sobre nossas cabeças".   Fontes policiais disseram que os aviões eram AC-130 americanos.   O líder de clã Ahmed Nur Dalab disse que um alto oficial islâmico, Hassan Turki, estava na cidade no domingo, 2, para mediar entre seus combatentes e uma milícia leal ao governo. As forças de Turki que assumiram o controle da cidade na semana passada.   No início de 2007, tropas do governo da Somália reconhecido pela comunidade internacional e forças da Etiópia, ajudadas por comandos especiais dos EUA, expulsaram de Mogadiscio o grupo islâmico ligado a Turki que haviam assumido o controle do país. A Somália não tem um governo central desde 1991, quando senhores da guerra derrubaram o ditador Mohamed Siad Barre e então se voltaram uns contra os outros.

Tudo o que sabemos sobre:
EUASomália

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.