EUA bombardeiam intensamente Kandahar

Evocando cenas que antecederam a captura de cidades como Mazar-i-Sharif, Kunduz e Cabul, aviões de guerra da coalizão antiterror liderada pelos EUA bombardeavam pesadamente hoje Kandahar, cidade do sul do Afeganistão e último reduto importante do movimento Taleban no país.Ao mesmo tempo, os EUA voltaram a reformar hoje o contingente de fuzileiros navais que instalaram uma base aérea nas proximidades da cidade e um alto funcionário da Aliança do Norte anunciou a entrada das tropas em Kandahar - informação desmentida por outras autoridades da aliança.Embora o Pentágono continue sustentando que os agora 1.000 marines que atuam na base aérea estabelecida perto do reduto taleban não formam um contingente suficientemente forte para um ataque terrestre a Kandahar, a porta-voz de Departamento de Defesa, Victoria Clarke, disse que o efetivo está apto a estabelecer novas bases de apoio para uma ofensiva."Não há concentração de tropas de assalto na frente de Kandahar e o movimento de nossas tropas tem sido muito discreto", disse o porta-voz do Pentágono, contra-almirante John Stufflebeem. "Também é importante deixar claro que não controlamos nenhum grupo de oposição ao Taleban no país, mas trabalhamos com eles".O Departamento de Defesa reiterou que a missão principal das tropas no sul do Afeganistão é a de rastrear o paradeiro do terrorista saudita Osama bin Laden, dos membros da organização terrorista liderada por ele - a Al-Qaeda - e dos principais líderes do Taleban. Na terça-feira, aviões norte-americanos bombardearam um complexo perto de Kandahar que poderia ter sido usado pelo mulá Mohammed Omar, líder supremo da milícia.Apesar de um dos mais importantes comandantes da Aliança do Norte, Ismail Khan, ter desmentido as informações do vice-chefe de segurança da força, Bismillah Khan, de que as tropas tivessem entrado em Kandahar, a pressão sobre a cidade continuava se intensificando hoje.Além das tropas da aliança, combatentes de tribos pashtun anti-Taleban avançavam para a cidade em meio a relatos de que 160 combatentes taleban morreram desde a semana passada, em combates com tropas de Gul Agha, ex-governador mujahedin da província de Kandahar. Segundo um porta-voz, Khalid Pashtoon, as forças de Agha, tomaram nos últimos dias o povoado de Takteh Pol na rodovia que liga Kandahar à fronteira paquistanesa.Outra cidade da mesma estrada - importante linha para que o Taleban se supra de munição e alimentos -, Spin Buldek, a menos de 10 quilômetros da fronteira paquistanesa, também está em vias de cair definitivamente nas mãos das forças anti-Taleban. "Queremos evitar mais mortes e alcançar uma solução pacífica com os taleban que estão em Spin Buldek", afirmou Mohammed Anwar, um dos principais líderes tribais que combatem o Taleban na região.Em Lahore, no Paquistão, o ex-embaixador do Taleban em Islamabad Abdul Salam Zaeef afirmou que uma quantidade "incalculável" de combatentes talebans foi morta desde o início dos ataques norte-americanos ao Afeganistão. "O número de mártires é incalculável", declarou Zaeef. "Nem sequer podemos estabelecer quantos de nossos combatentes estão vivos e quantos estão escondidos." "Nosso sistema de comunicação está inutilizado", prosseguiu Zaeef. "Por isso nem podemos determinar o número exato de perdas."Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.