AP Photo/Pablo Martinez Monsivais
AP Photo/Pablo Martinez Monsivais

EUA buscam sanções 'mais duras' da ONU contra Coreia do Norte

Resolução proibiria exportações e contratação de trabalhadores norte-coreanos

O Estado de S.Paulo

07 Setembro 2017 | 23h27

Os Estados Unidos estão buscando as mais duras sanções da Organização das Nações Unidas (ONU) contra a Coreia do Norte, que proibiriam todas as exportações de petróleo e gás natural e congelariam todos os ativos financeiros estrangeiros do governo e do líder Km Jong Un.

O rascunho da resolução redigido nos EUA, que circulou entre os membros do Conselho de Segurança da ONU nesta quarta-feira, 6, também proibiria a importação têxteis e a contratação de trabalhadores da nação asiática.

A resolução proposta identifica nove navios de carga que realizaram atividades que já tinham sido proibidas anteriormente pela ONU. Além disso, autorizaria os Estados-membros a usar "todas as medidas necessárias" para inspecionar esses navios.

O embaixador dos EUA, Nikki Haley, disse em uma reunião de emergência do conselho, após o sexto e maior teste nuclear da Coreia do Norte, que a administração Trump quer colocar a resolução para votação na segunda-feira, 11.

Com a resolução, os EUA ainda busca congelar os ativos e impor uma proibição de viagem a Kim Jong Un e outros quatro altos funcionários do partido: Hwang Pyong So, Kim Ki Nam, Kim Yo Jong e Pak Yong Sik.

O documento adicionaria 42 itens a uma lista de equipamentos, bens e tecnologias que os países seriam proibidos de exportar para a Coreia do Norte. Também proibiria o país de fazer parte de empreendimentos conjuntos ou acordos de cooperação.

De forma mais branda, o rascunho menciona a retomada de conversações entre a Coreia do Norte e EUA, Rússia, China, Coreia do Sul e Japão com o objetivo de desnuclearizar a península coreana.

A resolução expressa a "determinação do Conselho de Segurança de tomar outras medidas significativas" caso haja um novo teste nuclear ou lançamento de mísseis balísticos.

Oposição. É provável que a resolução enfrente a oposição de China e Rússia, vizinhos e aliados da Coréia do Norte, que dizem que as sanções anteriores não estão funcionando.

O presidente da Coréia do Sul, Moon Jae-in, pediu para que Vladimir Putin apoiasse sanções mais fortes, incluindo um corte de petróleo. No entanto, o presidente russo preocupou-se de que tais movimentos prejudicassem a população norte-coreana, disse o secretário de imprensa de Moon.

Rússia e China pedem uma solução política e propuseram uma suspensão que deteria os testes nucleares e de mísseis norte-coreanos em troca de os EUA e a Coréia do Sul interromperem os exercícios militares conjuntos.

A proposta, porém, foi rejeitada pelo governo Trump, que disse que os exercícios militares são essenciais diante da escalada de testes e ameaças da Coreia do Norte para lançar um míssil balístico intercontinental perto do território norte-americano de Guam. /AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.