Miraflores Palace/Handout via REUTERS
Miraflores Palace/Handout via REUTERS

EUA buscam contato com militares venezuelanos para dividir chavismo

Fonte da Casa Branca diz que conversas limitadas estão em curso com alguns oficiais

Redação, O Estado de S.Paulo

08 Fevereiro 2019 | 19h20

WASHINGTON  - O governo americano age nos bastidores para convencer a cúpula militar chavista a romper com o presidente Nicolás Maduro. Uma fonte da Casa Branca disse à Reuters que conversas limitadas estão em curso com alguns oficiais. 

“Acreditamos que alguns peixes grandes ainda serão convencidos”, disse a fonte. “Estamos conversando com membros do regime, de forma reservada.”

A mesma fonte afirmou que o governo americano estuda impor sanções a oficiais de inteligência de Cuba que colaboram com o chavismo, especialmente no setor de inteligência. 

No front diplomático, o departamento de Estado espera que países europeus atuem nas próximas semanas para impedir que Maduro mova recursos para fora da Venezuela. 

Até o momento, os principais países da União Europeia, com a exceção da Itália, reconheceram Maduro como presidente interino, mas não impuseram sanções. O Reino Unido, por exemplo, pode bloquear o acesso do chavismo a US$ 1,2 bilhão em ouro que o governo tem em bancos locais. 

Outra alternativa do governo americano nas próximas semanas é impor as chamadas “sanções secundárias”, que são usadas para punir empresas não americanas que fazem negócios com empresas na lista negra do Departamento do Tesouro - no caso a PDVSA. 

Chavista disposto ao diálogo

 Ainda nesta sexta-feira, 8, Maduro disse estar disposto a receber enviados do chamado Grupo Internacional de Contato (GIC), que reúne países sul-americanos e europeus dispostos a encontrar uma saída democrática para a crise.

“Estou pronto e disposto a receber qualquer enviado do grupo de contato”, disse Maduro. “Espero que eles nos escutem.”/ AFP, REUTERS e EFE 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.