EUA cancelam mais vistos de funcionários hondurenhos

Os Estados Unidos revogaram os vistos pessoais de um número não divulgado de funcionários do atual governo hondurenho, informou hoje o Departamento de Estado. Trata-se da terceira rodada de cancelamento de vistos desde o golpe de junho, que depôs o presidente Manuel Zelaya, substituído por Roberto Micheletti.

AE-AP, Agencia Estado

21 de outubro de 2009 | 17h33

A porta-voz Gini Staab recusou-se a fornecer os nomes dos que tiveram os vistos cancelados ou mesmo quantas pessoas foram atingidas pela medida. Os primeiros vistos cancelados eram oficiais, mas Staab disse que nas vezes seguintes a medida atingiu vistos pessoais.

Zelaya está abrigado na Embaixada do Brasil em Tegucigalpa e representantes dos dois lados negociam o fim do impasse. A administração Obama quer o restabelecimento do governo constitucional de Zelaya.

Integrantes do Supremo Tribunal Eleitoral de Honduras estiveram hoje no Capitólio para pedir que os Estados Unidos apoiem as eleições, marcadas para o mês que vem, como uma forma de encerrar a crise política. Três membros do tribunal se reuniram com legisladores norte-americanos.

O magistrado hondurenho David Matamoros Batson afirmou que o tribunal, e não o governo, está organizando as eleições. Ele disse que funcionários eleitorais são independentes e responsáveis pela realização de um pleito livre e justo.

Tudo o que sabemos sobre:
HondurasgolpeEUAvistos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.