EUA cercam militantes da Al-Qaeda nas montanhas

Forças norte-americanas e de coalizão utilizaram detectores de minas terrestres para abrir caminho pelas montanhas cobertas de neve do leste do Afeganistão nesta terça-feira em busca de supostos esconderijos que estariam sendo utilizados por centenas de combatentes do Taleban e da Al-Qaeda. Em Washington, o brigadeiro-general John Rosa, oficial de operações do Estado Maior Conjunto das Forças Armadas dos EUA, disse que as forças de coalizão entraram em pelo menos uma caverna, onde foram encontrados morteiros, granadas e armas de pequeno porte. Em outra localidade, soldados descobriram armas, munições, licenças de motorista e passaportes estrangeiros, disse Rosa.Enquanto a ofensiva continuava pelo quinto dia, aviões aliados sobrevoavam a província de Paktia, despejando bombas e lançadores de chamas para despistar mísseis guiados pelo calor - medidas defensivas adotadas depois de dois helicópteros norte-americanos terem sido obrigados a fazer pouso forçado na segunda-feira. Sete soldados norte-americanos morreram nos incidentes de segunda-feira.O comandante de frente de combate Abdul Matin Hasankhiel disse que centenas de afegãos e forças de coalizão cercaram a montanha e obrigaram os combatentes da Al-Qaeda e do Taleban a se esconderem no alto. "Eles não têm como escapar. Estão cercados. Estamos avançando lentamente", disse.Um combatente, Nawab, que estava na linha de frente nesta terça-feira, disse que cerca de 50 soldados das Forças Especiais dos Estados Unidos estavam lutando ao lado de combatentes afegãos a aproximadamente quatro quilômetros de Shan-e-Kot, foco da maior missão de terra e ar liderada pelos EUA até o momento. Nawab comentou que os combates continuavam em sua frente, apesar de serem menos intensos do que nos dias anteriores. Os militantes estão equipados com artilharia pesada, armas antiaéreas, morteiros, canhões e metralhadoras. "Deus queira que em três ou quatro dias tudo isso esteja acabado", disse ele. Porém, apesar do aparente progresso, oficiais norte-americanos afirmaram nesta terça-feira que os Estados Unidos observaram forças da Al-Qaeda reocuparem antigos campos de treinamento na região que foram bombardeados no início da guerra, indicando que a ofensiva pode estar longe do fim.Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.