EUA cobram do Brasil ajuda à Colômbia

O diretor do escritório de planejamento de políticas do Departamento de Estado norte-americano, embaixador Richard N. Haass, disse hoje ao ministro das Relações Exteriores, Celso Lafer, que cabe ao Brasil a responsabilidade de ajudar o governo colombiano. O representante norte-americano disse que o novo governo colombiano enfrenta sérios desafios e que os EUA estarão preparados para apoiá-lo. Segundo ele, a Colômbia se tornou o terceiro maior receptor de ajuda externa dos EUA. "Estamos lá para ajudar na luta contra as drogas e contra a guerrilha. Obviamente, não se trata de uma questão só dos Estados Unidos, mas também de seus vizinhos", afirmou. "Países como Brasil têm grande potencial para ajudar a Colômbia". Fontes brasileiras, entretanto, afirmaram que, durante o encontro entre Haass e o subsecretário-geral do Itamaraty para assuntos Políticos, embaixador Gilberto Sabóya, também realizado hoje, o Brasil deixou claro que não participará de operação militar conjunta na fronteira com a Colômbia. No encontro com Sabóya ficou evidente, segundo as fontes, que, em questões externas, em especial nas relacionadas à América Latina, praticamente não há convergência nas posições entre Brasil e EUA. Para Haass, no entanto, existe similaridade entre os pontos de vista brasileiro e norte-americano em questões como as da Colômbia e da Venezuela.

Agencia Estado,

27 Agosto 2002 | 15h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.