AP Photo/Daniel Ochoa de Olza
AP Photo/Daniel Ochoa de Olza

EUA começam a enviar solicitantes de asilo de volta ao México

Plano anunciado em dezembro pelo Departamento de Segurança Nacional para que imigrantes aguardem decisão sobre seus casos em território mexicano entra em vigor nesta sexta-feira, segundo fontes ouvidas pelo 'Washington Post'

Redação, O Estado de S.Paulo

25 de janeiro de 2019 | 13h06

WASHINGTON - O governo dos Estados Unidos anunciou que devolverá alguns solicitantes de asilo ao México à espera de que a Justiça resolva seus casos, em uma nova estratégia que, segundo o diário The Washington Post, será colocada em prática a partir desta sexta-feira, 25.

O Departamento de Segurança Nacional (DHS, na sigla em inglês) dos EUA explicou, em comunicado divulgado na noite de quinta-feira, que certos solicitantes de asilo já não ficarão em liberdade no país como até agora, mas serão devolvidos ao México enquanto seus casos são resolvidos.

A estes imigrantes, será permitido retornar aos EUA para comparecer diante de um juiz quando forem citados em audiência. Com 800 mil solicitações de asilo que ainda devem ser processadas, os novos pedidos podem demorar meses ou até anos para a tramitação.

O Washington Post, que cita funcionários americanos, informou que os primeiros retornos ocorrerão nesta sexta no porto fronteiriço de São Ysidro, no limite entre São Diego, na Califórnia, e Tijuana, no Estado mexicano da Baixa Califórnia.

Os EUA pretendem reduzir assim os casos de "asilo fraudulento", nos quais os imigrantes dizem que vão pedir asilo, mas "frequentemente não apresentam uma solicitação e/ou desaparecem antes de um juiz de imigração determinar os méritos de qualquer pedido".

Segundo dados do governo americano, 90% das solicitações de asilo são rechaçadas em última instância.

A secretária do DHS, Kirstjen Nielsen, disse que a nova medida "não tem precedentes" e afirmou que ajudará a pôr fim ao "abuso das generosas" leis migratórias americanas, assim como a abordar a "urgente crise humanitária" na fronteira.

"Por muito tempo, nosso sistema migratório tem sido explorado por contrabandistas, traficantes e aqueles que não têm direito de permanecer nos Estados Unidos", completou. 

O presidente dos EUA, Donald Trump, mostrou certa obsessão nos últimos meses com a chegada de solicitantes de asilo nas chamadas caravanas migratórias procedentes da América Central e integradas por milhares de imigrantes.

Cerca de 10 mil imigrantes esperam nestes momentos seu ingresso no México na fronteira com a Guatemala em uma dessas caravanas e cerca de 2 mil ingressaram na semana passada a esse país sem cumprir com os protocolos requeridos pelo Governo de Andrés Manuel López Obrador.

Segundo o DHS, o México será responsável por fornecer ajuda humanitária aos imigrantes retornados enquanto esperam nesse país a resolução de seus casos. Fontes do Governo do México indicaram que o país só receberá seus cidadãos ou estrangeiros com uma condição legal prévia. / EFE e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.