REUTERS/Kevin Mohatt
REUTERS/Kevin Mohatt

EUA começam a permitir entrada sem restrições de estrangeiros vacinados; confira regras

Novos requerimentos devem aumentar chegada de turistas no país

Redação, O Estado de S.Paulo

08 de novembro de 2021 | 08h00

WASHINGTON — Os Estados Unidos passarão a permitir a entrada sem restrições de estrangeiros totalmente vacinados a partir desta segunda-feira. As novas regras, que preveem poucas exceções para a entrada de cidadãos não vacinados no território americano, devem levar a um aumento nas entradas de estrangeiros no país.

Confira abaixo quais vacinas os EUA estão aceitando e outras regras para entrada no país:

VACINAS ACEITAS POR OMS E FDA — O governo americano irá aceitar todos os imunizantes aprovados pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e pela Food and Drug Administration (FDA), agência reguladora dos EUA, o que inclui todos os aplicados no Brasil: Pfizer, AstraZeneca, Janssen, Moderna, Sinopharm e Coronavac.

DOSES MISTAS — Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA (CDC) já informaram que aceitarão visitantes imunizados com doses mistas de vacinas contra o coronavírus, contanto estejam entre as reconhecidas pela OMS.

COMPROVANTE DE VACINAÇÃO — A partir de 8 de novembro, viajantes estrangeiros para os Estados Unidos deverão estar totalmente vacinados contra a Covid-19, tendo que fornecer um comprovante de vacinação antes de embarcar.

FONTE OFICIAL — Passageiros precisarão mostrar uma "fonte oficial" — um órgão do governo, por exemplo — ou uma carteira de vacinação, mostrando seu status de vacinação, e as companhias aéreas terão que conferir o nome e a data de nascimento da pessoa para checar se ela é a mesma do documento.

TESTE DE  COVID — Além do comprovante de imunização, os viajantes deverão apresentar um teste com resultado negativo feito até três dias antes da viagem aos EUA. Cidadãos americanos não vacinados e outros que obtiveram autorização precisarão apresentar um teste feito um dia antes da viagem.

ENTRADA POR TERRA — Ao contrário dos viajantes que chegam ao país por avião, aqueles que cruzarem a fronteira por terra vindo do Canadá ou do México não precisarão apresentar um teste negativo feito recentemente. Eles só precisarão apresentar a documentação comprovando o ciclo vacinal completo.

ATESTADO — Viajantes também devem assinar um atestado mostrando que foram vacinados e são avisados de que "fornecer intencionalmente informações falsas ou enganosas podem resultar em multas criminais e prisão".

MENORES DE 18 ANOS — Menores de 18 anos estão isentos da exigência de vacinação, mas pessoas entre 2 e 17 anos, caso estejam acompanhados de adultos totalmente vacinados, deverão apresentar o resultado negativo de um teste de Covid realizado até três dias antes da viagem. Caso a pessoa esteja viajando sozinha ou com adultos não vacinados, o teste terá que ser feito um dia antes da partida. Menores de 18 anos não precisarão ficar em quarentena quando chegarem nos EUA.

ISENÇÕES DE VACINAÇÃO — Entre as pessoas que estão isentas do comprovante de vacinação para entrar nos EUA, estão alguns participantes de ensaios clínicos de vacinas contra a Covid, cidadãos com motivos médicos considerados válidos para não serem vacinados e outros que precisam viajar por razões de emergência ou humanitárias — no entanto, precisarão de uma carta do governo americano comprovando a urgência da viagem. Segundo o CDC, não há exceções para passageiros que não se vacinarem "por motivos religiosos ou outras convicções morais".

VIAGENS NÃO TURÍSTICAS — Viajantes que não sejam turistas de quase 50 países cuja taxa de vacinação nacional é menor do que 10% ficarão isentos dos requisitos, mas devem concordar em 60 dias em tomarem a vacina.

RASTREAMENTO — O CDC também emitiu um pedido de rastreamento de contato que exige que todas as companhias aéreas que voam para os EUA coletem e mantenham em mãos por 30 dias, exigindo também que o documento seja enviado ao CDC caso necessário, com informações dos passageiros, incluindo número de telefone, e-mail e o endereço que eles ficarão nos EUA para que seja possível rastrear eventuais infecções.

VERIFICAÇÃO DE REGISTROS — A Administração de Segurança de Transporte (TSA) planeja emitir uma diretiva de segurança que fornece base legal para as companhias aéreas verificarem os registros de vacinas.

PLANEJAMENTO — O CDC também tem uma página para pessoas que planejam viagens internacionais, incluindo uma extensa seção de perguntas e respostas para viajantes. / REUTERS, AP e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.