EUA cometem crimes de guerra no Iraque, acusa ONG

As Forças Armadas dos EUA estão cometendo crimes de guerra ao demolir casas de supostos insurgentes e prender parentes de fugitivos iraquianos, denunciou um destacado grupo de direitos humanos. Militares americanos negaram as acusações do Human Right Watch, argumentando que apenas destruíram casas que eram usadas para armazenar armas ou para ataques contra suas forças, e que todos os iraquianos detidos são suspeitos de participar em ações contra as forças de ocupação."Declarações de que a coalizão está intencionalmente atacando casas como forma de punição coletiva são falsas", garantiu o coronel William Darley, um porta-voz militar. "Pessoas não são presas porque estão relacionadas a outros suspeitos - pessoas são detidas porque são suspeitas".O grupo de direitos humanos baseado em Nova York afirmou que soldados americanos demoliram pelo menos quatro moradias de iraquianos sem nenhuma razão militar aparente, a não ser punir famílias de supostos guerrilheiros."Tropas têm o direito de suprimir ataques armados, mas elas só podem destruir uma estrutura civil quando ela está sendo usada num ataque", lembrou o diretor-executivo do grupo, Kenneth Roth. "Essas demolições não passam no teste de necessidade militar". O Human Right Watch também considerou crimes de guerra os assassinatos e ataques contra alvos civis promovidos por rebeldes iraquianos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.