EUA condenam 2 por venderem segredos comerciais

Os EUA condenaram dois homens por roubar segredos de uma empresa dos EUA e venderem para uma concorrente na China. Um júri federal formado por 12 pessoas considerou Robert Maegerle, de 78 anos, e Walter Liew, de 56 anos, culpados de espionagem econômica e os dois podem ser sentenciados a 15 anos de prisão ou mais e a pagar centenas de milhares de dólares em multas.

AE, Agência Estado

06 de março de 2014 | 03h53

O juiz federal Jeffrey White ordenou que Liew fosse levado em custódia imediatamente. "Ele recebeu milhões de dólares da República Popular da China que permanecem sem prestação de contas. Isso é muito dinheiro, que poderia ajudar alguém a fugir", afirmou. O advogado de Liew, Stuart Gasner, afirmou que irá recorrer.

Os dois foram condenados por roubar o método de fabricação do dióxido de titânio da unidade de Delaware da DuPont. Esse produto movimenta US$ 17 bilhões em vendas por ano ao redor do mundo.

Os procuradores disseram que desde os anos 1990 Liew recebeu mais de US$ 20 milhões da empresa estatal chinesa Pangang Group para vender a receita. Eles alegaram que Liew e sua esposa, Christina Liew, criaram uma empresa nos anos 90 com o único objetivo de explorar o desejo chinês de construir uma fábrica semelhante à da DuPont para produzir produtos químicos.

O casal recrutou ex-cientistas da DuPont para vencer contratos na China. Maegerle trabalhou na DuPont de 1956 a 1991 antes de se juntar à empresa e, segundo a acusação, ele forneceu informações detalhadas sobre a fábrica de Taiwan da DuPont.

Tze Chao, outro ex-cientista da DuPont que trabalhou com a família Liew, foi condenado em 2012 por conspiração econômica e a sentença ainda será dada, enquanto o julgamento de Christina Liew está marcado para este ano. Tim Spliter, um ex-engenheiro da DuPont ligado ao caso, cometeu suicídio. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Euachinaespionagem

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.