EUA condenam derrubada de aviões militares na Ucrânia

A Casa Branca condenou nesta quarta-feira a derrubada de dois aviões de combate na Ucrânia por tropas separatistas do leste do país. Os jatos ucranianos foram abatidos pelos rebeldes a apenas 20 quilômetros ao sul de onde o voo MH17 da Malaysia Airlines foi atingido por um míssil na semana passada, o que sugere que os separatistas fizeram vista grossa à indignação internacional após a queda do Boeing.

AE, Agência Estado

23 de julho de 2014 | 22h00

Os insurgentes assumiram a responsabilidade pela queda dos aviões militares na tarde desta quarta-feira.

Diante da confissão dos separatistas, mais uma vez os EUA os culparam de dispararem o míssil que provocou a queda do avião da Malaysia Airlines. "A única queda de aeronave que não foi assumida pelos rebeldes foi a do MH17", disse o vice-conselheiro de Segurança Nacional, Ben Rhodes.

"Sabemos quem puxou o gatilho? Não, isso é a coisa mais difícil de determinar. Mas quando somamos as diferentes peças de evidência, elas montam uma história", atacou Rhodes.

Rhodes disse também que os EUA estão estudando sanções econômicas adicionais à Rússia caso se comprove que o governo de Vladimir Putin continua a fornecer armas aos separatistas. Mas o conselheiro deixou em aberto a possibilidade de os norte-americanos imporem essas medidas unilateralmente, sem a contrapartida da União Europeia. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
UcrâniaRússiaaviõesEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.