EUA condenam dois árabes por ajuda a extremistas

Dois membros de um grupo de quatro imigrantes árabes foram considerados culpados, por uma corte de Detroit, de associação para ajudar extremistas islâmicos que planejavam atentados nos Estados Unidos e no Oriente Médio.O caso, iniciado com a invasão de um apartamento de Detroit seis dias depois dos atentados de 11 de setembro de 2001, resultou nos primeiros veredictos de culpa relacionados a uma célula terrorista. O julgamento foi visto como uma prova da capacidade do governo americano para processar tais casos.Abdel-Ilah Elmardoudi, de 37 anos, e Karim Koubriti, de 24, foram considerados culpados de conspiração para fornecer apoio material e/ou recursos a terroristas, além de fraude e uso indevido de vistos, permissão para trabalho e outros documentos.Ahmed Hannan, de 34 anos, foi inocentado da acusação de conspiração para ajudar terroristas, mas foi considerado culpado de conspiração para cometer fraude e uso indevido de vistos, permissões e outros documentos. Koubriti e Hannan foram inocentados de outras acusações de fraude.Um quarto homem, Farouk Ali-Haimond, de 22 anos, foi inocentado de todas as acusações contra ele.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.