Reuters
Reuters

EUA condenam Irã por pena de morte a ex-fuzileiro naval

Para Washington, acusação de que Amir Mirzai Hekmati trabalha para a CIA é falsa

Agência Estado

09 de janeiro de 2012 | 15h09

WASHINGTON - Os Estados Unidos condenaram nesta segunda-feira, 9, a sentença de morte dada pelo Irã ao ex-fuzileiro naval Amir Mirzai Hekmati, que tem cidadania americana e iraniana, e disse que as acusações de que ele trabalhava para a CIA são "falsas".

 

Veja também:

linkIrã condena americano 'espião' à morte

 

"Nós vimos na imprensa iraniana matérias dizendo que o senhor Hekmati foi sentenciado à morte por um tribunal iraniano. Se for verdade, condenamos fortemente tal veredicto e vamos trabalhar com nossos parceiros para transmitir nossa condenação ao governo iraniano", disse o porta-voz do Conselho de Segurança Nacional, Tommy Vietor.

 

Hekmati, de 28 anos, foi "sentenciado à morte por cooperar com uma nação hostil, ser membro da CIA e tentar implicar o Irã em terrorismo", segundo o veredicto, de acordo com a Fars.

 

Nascido nos EUA de uma família iraniana, Hekmati, foi mostrado pela televisão estatal iraniana em meados de dezembro, dizendo em farsi fluente e em inglês que era ligado à CIA e havia sido enviado ao país para se infiltrar no Ministério de Inteligência iraniano. Ele havia sido preso meses antes.

 

Funcionários iranianos disseram que o disfarce dele foi descoberto por agentes do Irã que o flagraram na base militar aérea de Bagram, operada pelos EUA, no vizinho Afeganistão. A família de Hekmati, porém, disse que ele havia viajado ao Irã para visitar suas avós e que não era um espião. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAIrãHekmatiOriente Médio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.