EUA condenam violência na Síria

País se diz preocupado com medidas repressivas do governo sobre manifestantes

estadão.com.br

25 de março de 2011 | 15h26

WASHINGTON - A Casa Branca mostrou-se preocupada nesta sexta-feira, 25, com a situação na Síria e pediu que o governo do presidente Bashar al-Assad pare imediatamente com os atos de violência e prisões praticados contra manifestantes e ativistas dos direitos humanos.

 

Veja também:

especialInfográfico:  A revolta que abalou o Oriente Médio

mais imagens Galeria de fotos: Veja imagens dos protestos na região

 

"Nós condenamos as tentativas do governo sírio de reprimir e intimidar os manifestantes", disse Jay Carney, porta-voz do governo americano.

 

Assim como outros países no Oriente Médio, a Síria tem vivido dias de protestos contra o governo. O levante contra al-Assad teve início nesta semana, e mais de 57 pessoas morreram desde então, segundo a Anistia Internacional. Só nesta sexta, 20 pessoas morreram, segundo testemunhas. Ativistas dizem que já há mais de cem fatalidades.

 

O principal foco dos protestos é a cidade de Daraa, no sul do país. Nesta sexta, houve marchas na capital, Damasco. É a maior rebelião civil enfrentada pelo governo há anos. Desde 1963 está em vigor na Síria uma lei de emergência proibindo manifestações.

 

Com Reuters

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.