EUA confirmam antraz em envelope enviado ao Chile

O Chile ganhou a posição de primeiro país latino-americano a ser alvo de um ataque bioterrorista. O Centro de Controle de Enfermidades dos EUA confirmou que uma carta recebida por um pediatra nos arredores da capital, Santiago, continha esporos de antraz. O Centro de Controle em Atlanta disse que a carta continha o bacillus anthracis, organismo causador do antraz ou carbúnculo, confirmando os resultados dos testes anteriormente realizados em Santiago pelo Instituto de Saúde Pública (ISP). O envelope foi enviado da Suíça, segundo os carimbos, embora tivesse como remetente um laboratório da Flórida, EUA, e seu destinatário tenha sido um médico pediatra que trabalhava em um laboratório no bairro de Las Condes, no leste de Santiago. O médico - o doutor Antonio Banfi, do serviço de pediatria do Hospital Luis Calvo Mackenna - e outras 12 pessoas que tiveram contato com o envelope estão recebendo tratamento com antibióticos, segundo informou no início da semana a ministra da Sáude, Michelle Bachelet. O ministério informou por telefone à Associated Press que Atlanta havia confirmado a presença da bactéria no envelope. Em um comunicado, o ministério explicou que tanto o centro em Atlanta como o ISP continuam trabalhando para estabelecer se o antraz recebido no Chile é o mesmo dos EUA. Isto significa que ainda não se sabe se a origem do antraz que chegou ao Chile é a mesma do que foi utilizado nos atentados bioterroristas nos EUA.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.