EUA conseguiu reduzir pobreza, diz Casa Branca

A Casa Branca publicou nesta terça-feira um relatório informando que os Estados Unidos fizeram progressos da redução de pobreza, mas que ainda tem "muito trabalho a fazer", particularmente na expansão da "oportunidade econômica."

AE, Agência Estado

08 de janeiro de 2014 | 06h13

De acordo com o levantamento, o porcentual da população dos EUA que vive na pobreza caiu de 25,8% em 1967 para 16% em 2012, se utilizando de uma medida que leva em conta os créditos fiscais e outros benefícios.

Ainda assim, o relatório apontou que 49,7 milhões de norte-americanos viviam abaixo da linha da pobreza em 2012, incluindo 13,4 milhões de crianças.

O relatório da Casa Branca reiterou muitas das recentes declarações do governo do presidente norte-americano, Barack Obama, sobre as disparidades de renda, dizendo que os programas federais são necessários para ajudar as famílias

Além disso, o relatório da Casa Branca indicou que as taxas de pobreza podem variar de acordo com a formação educacional. O levantamento apontou que 35,8% dos norte-americanos com idades entre 25 e 64 anos que não conseguiram concluir o ensino médio vivem na pobreza. Entre as pessoas que possuem educação universitária nessa faixa etária, 5,9% vivem na pobreza. Os dados também sinalizaram que afro-americanos, hispânicos e imigrantes estavam duas vezes mais propensos a viver na pobreza em relação aos brancos.

O relatório não detalhou novas propostas da Casa Branca para o combate à pobreza. O levantamento apenas reafirmou propostas existentes para o aumento do salário mínimo, a criação de novos programas de formação profissional para desempregados de longa duração e melhorias nas escolas.

"A lição mais importante da guerra contra a pobreza é que os programas e as políticas governamentais podem tirar as pessoas da pobreza", disse a Casa Branca. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
euracasa brancapobreza

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.