Jim Lo Scalzo/Efe
Jim Lo Scalzo/Efe

EUA consideram intervenção militar caso a Síria use armas químicas

Presidente Barack Obama afirma que o uso de armas de destruição em massa teria 'enormes consequências'

estadão.com.br,

20 de agosto de 2012 | 15h44

Texto atualizado às 20h08

WASHINGTON - O presidente Barack Obama afirmou, nesta segunda-feira, 20, que o pensamento dos Estados Unidos sobre uma intervenção militar na Síria pode mudar em caso do uso de armas químicas ou biológicas nos confrontos sírios. Obama acredita que o uso dessas armas de destruição em massa aumentaria, consideravelmente, o conflito.

Veja também:

link Novo enviado da ONU defende união sobre Síria

link Chefe de paz da ONU diz que sírios escolheram 'caminho da guerra'

Obama ressalta que o fato "não envolve apenas a Síria. Seria uma preocupação para aliados naquela região, incluindo Israel, e isso nos preocupa". O presidente norte-americano alertou o regime de Bashar Assad de que o uso ou movimento desses tipos de armas teria "enormes consequências". 

A Síria tem o quarto maior arsenal de armas químicas do mundo. No mês passado, um porta-voz do Ministério do Exterior sírio disse que armas químicas ou biológicas nunca seriam usadas dentro do país, mas admitiu que o governo poderia recorrer a elas em caso de "agressão externa".

Segundo a correspondente da BBC em Washington, Kim Ghattas, os EUA receberam recentemente relatos não confirmados de que autoridades sírias têm movimentado os arsenais de armas químicas.

Com BBC e AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.