EUA consultam aliados por diálogo sobre crise entre as Coreias

China proprôs conversas de emergência para discutir tensão entre Seul e Pyongyang

Reuters

28 de novembro de 2010 | 18h44

 

 

WASHINGTON - Os EUA disseram neste domingo, 28, estar consultando a Coreia do Sul e o Japão sobre a possibilidade serem iniciadas conversas de emergência sobre a crise da Coreia do Norte, conforme proposto pela China. Washington, porém, pediu novamente que Pequim aja contra "as provocações de Pyongyang".

 

Veja também:

video TV Estadão: Roberto Godoy analisa nova crise coreana

blog Radar Global: Veja imagens do ataque norte-coreano

documento Arquivo Estado: O armistício de Pan-Mun-Jon

especial Infográfico: As origens do impasse na península coreana

lista Entenda a crise entre os dois países 

 

"As conversas de seis partes não podem substituir as ações da própria Coreia do Norte para cumprir com suas obrigações internacionais", disse um porta-voz do Departamento de Estado dos EUA. "Pedimos à China que exija da Coreia do Norte que cesse as provocações a aja com responsabilidade pelo interesse da paz e da estabilidade".

 

A crise entre Coreia do Norte e Coreia do Sul de acirrou na última semana devido à troca de disparos realizada entre os dois países. Tiros de artilharia norte-coreanos atingiram a ilha sul-coreana de Yeonpyeong e mataram dois militares e dois civis.

 

Desde então, ambos os países trocaram ameaças e se colocaram em alerta e prontos para atacar. Os EUA têm pressionado a China, principal aliado da Coreia do Norte, para intervir nas tensões. O ataque norte-coreano foi condenado pela comunidade internacional. Pyongyang, por sua vez, diz que Seul atacou primeiro.

 

A Coreia do Sul afirmou estar fazendo exercícios militares, mas nega ter disparado em direção ao vizinho do norte. Os sul-coreanos iniciaram neste domingo exercícios militares em conjunto com os EUA em resposta aos disparos norte-coreanos. Pyongyang e Pequim rejeitaram a iniciativa e disseram que as manobras deixam a região abeira da guerra.

 

Os dois países se encontram tecnicamente em conflito desde que a Guerra da Coreia (1950-1953) foi encerrada pelo armistício em vez de um tratado de paz. Desde então, o acirramento das tensões entre as duas nações asiáticas é frequente.

 

Um dos episódios mais recentes dos atritos entre os países foi o afundamento do navio sul-coreano Cheonan. Seul acusa Pyongyang de estar por trás do ataque, que matou 46 marinheiros. A Coreia do Norte, que está sob pressão pelas suspeitas de estar ampliando seu programa nuclear, nega.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.