Marinha dos EUA/AP
Marinha dos EUA/AP

EUA continuarão com operações no Golfo apesar de advertência iraniana

Pentágono afirma que tráfego pelo Estreito de Ormuz é necessário para missões americanas

Efe

03 de janeiro de 2012 | 17h17

WASHINGTON - O Pentágono afirmou nesta terça-feira, 3, que o tráfego de navios de guerra dos Estados Unidos pelo Estreito de Ormuz é necessário para o abastecimento das missões de Washington no Golfo Pérsico e continuará normalmente, apesar das ameaças do Irã sobre as navegações americanas.

 

Na quinta-feira passada, o porta-aviões americano John C. Stennis e seu grupo de batalha abandonaram o Golfo e nesta terça, em Teerã, o chefe das Forças Armadas iranianas, general Ataolah Salehi, disse que a embarcação não deveria retornar ao local. "Aconselhamos ao navio americano que saiu do Estreito de Ormuz e se dirigiu ao Mar de Omã que não retorne ao Golfo Pérsico", declarou Salehi.

 

O porta-voz do Pentágono, George Little, destacou em comunicado em Washington que o tráfego pelo Estreito de Ormuz, que liga o Golfo Pérsico e o Golfo de Omã, é necessário para a provisão das missões americanas na região. Ele acrescentou que Washington seguirá mobilizando suas unidades militares no Golfo de acordo com suas necessidades apesar das ameaças iranianas.

 

O comunicado acrescenta que "os movimentos dos porta-aviões no Golfo Pérsico e no Estreito de Ormuz - via estratégica para o trânsito marítimo do petróleo - respondem a um compromisso militar americano de longa data".

 

"Nossas passagens pelo Estreito de Ormuz acontecem conforme à lei internacional que garante o direito de passagem a nossos navios", salientou Little. "Estamos comprometidos com a proteção das regras do comércio marítimo, base da prosperidade internacional, e essa é uma das razões principais da presença militar (dos EUA) na região", concluiu. 

Tudo o que sabemos sobre:
IrãOrmuzEUAMarinhaOriente Médio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.