Chris Kleponis/EPA/POOL/EFE
Chris Kleponis/EPA/POOL/EFE

EUA continuarão com sanções à Venezuela, apesar da libertação de preso

Joshua Holt, um cidadão americano que estava detido desde 2016 em território venezuelano, foi libertado após uma longa pressão diplomática

EFE

27 Maio 2018 | 01h23

WASHINGTON - Os Estados Unidos vão continuar impondo sanções às autoridades da Venezuela, apesar da libertação do preso Joshua Holt, um cidadão americano que ficou preso neste país desde 2016 e que foi solto neste sábado, 26.

"Estou muito contente que Josh Holt esteja agora outra vez em casa e com sua família - aonde ele sempre pertenceu -. As sanções continuarão até que a democracia volte à Venezuela", afirmou na sua conta oficial do Twitter o vice-presidente americano, Mike Pence.

+++ No interior da Venezuela, comida apodrece por falta de gás e cortes de luz

Apesar de as sanções dos EUA à Venezuela serem regulares, elas se intensificaram desde as eleições no domingo passado no país, pleito que as autoridades americanas tacharam de "farsa".

Desde então, os EUA exerceram uma intensa pressão diplomática contra o país, que resultou em expulsões recíprocas de representantes de ambos os países.

Um vídeo divulgado através das redes sociais do senador republicano de Utah, Ornin Hatch, mostra como Holt voltou a se encontrar com a família depois de passar os últimos dois anos em uma prisão venezuelana.

+++ Falta de remédios contra aids na Venezuela põe tribo indígena em risco

Hatch foi essencial para a libertação do preso, embora ela tenha acontecido depois que o senador republicano Bob Corker visitou Caracas esta semana para se reunir com o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, com o objetivo de que o detento americano fosse perdoado.

Holt, um mórmon natural de Utah, viajou para a Venezuela em junho de 2016 para se casar com Thamara, uma venezuelana que conheceu pela internet, e ficou para morar temporariamente no país enquanto esperavam a emissão dos seus vistos para viajar para os EUA.

Duas semanas depois de seu casamento, as autoridades venezuelanas os detiveram na sua casa, e o então ministro de Interior e Justiça, Gustavo González López, disse que na operação foram encontrados rifles e munição, uma granada e mapas detalhados de Caracas. /EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.