Yuri Gripas/Reuters
Yuri Gripas/Reuters

EUA cortam parte do financiamento para a Otan em meio a dúvidas sobre apoio de Trump

Medida é simbólica, já que a organização possui dois orçamentos; presidente americano critica o fato dos países membros não cumprirem a regra que estipula que 2% do PIB de cada um seja repassado

Redação, O Estado de S.Paulo

27 de novembro de 2019 | 20h07

WASHINGTON - O governo do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, cortou substancialmente sua contribuição para o orçamento coletivo da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), revelaram funcionários americanos e da aliança atlântica.

A medida simbólica ocorre em meio aos questionamentos sobre o comprometimento de Trump com a Otan enquanto ele se prepara para participar da reunião em Londres que marcará o 70.° aniversário da organização.

Antes, os EUA contribuíam com 22% dos fundos da Otan para os gastos de manutenção das sedes da organização e investimentos em segurança.

É uma medida amplamente simbólica, já que o orçamento direto da Otan é relativamente pequeno, cerca de US$ 2,5 bilhões, e é separado do orçamento de defesa que, segundo recomendação da organização, deveria ser de 2% do PIB de cada país-membro.

Funcionários da defesa americana disseram à rede CNN que Trump reduzirá essa contribuição para 16%, aproximando-se da Alemanha, que é de 14,8%, apesar de a economia americana ser maior. Outros membros da Otan também devem reduzir suas contribuições, segundo funcionários americanos e da aliança atlântica.

Há tempos Trump vem criticando os aliados da Otan, principalmente a Alemanha, por não cumprir a meta de contribuir com 2% do PIB para os gastos de defesa. Somente 8 dos 29 países-membros contribuem com a porcentagem estipulada. Todos os integrantes haviam se comprometido a alcançar os 2% até 2024, mas agora alguns desistiram de fazer isso.

Países-membros elevaram consideravelmente seus gastos nos últimos anos e Trump disse que o crédito pelo aumento foi seu. Funcionários da Otan, entre eles o secretário-geral Jens Stoltenberg, também atribuíram a Trump o aumento dos gastos, com um extra de US$ 100 bilhões desde 2014, mas reconhecem que a tomada da Crimeia pela Rússia e outros fatores ajudaram a incentivar o aumento.

“Todos os aliados concordaram com uma nova fórmula de compartilhamento de custos. Sob essa nova fórmula, a divisão de gastos atribuída à maioria dos aliados europeus e ao Canadá aumentará, enquanto a dos EUA diminuirá. É uma grande demonstração de compromisso dos aliados com relação à aliança e seu orçamento”, disse um funcionário da Otan à CNN.

O orçamento militar para 2019, de US$ 1,56 bilhão, é usado para financiar algumas operações e o centro de comando estratégico da Otan. Essa é uma fração dos gastos totais com defesa dos países-membros, que, segundo estimativas da Otan, totalizará US$ 1 trilhão este ano. / AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.