EUA creem que podem alcançar acordo nuclear com Irã até terça-feira

Funcionário americano ligado às negociações disse, sob condição de anonimato, que grandes passos foram dados na última reunião

O Estado de S. Paulo

25 Março 2015 | 22h06

 GENEBRA -Um diplomata americano, envolvido no diálogo nuclear com o Irã, disse ontem que é possível fechar um acordo até terça-feira, dia 31, limite do prazo para encerramento das negociações. O pacto, que pode acabar com uma década de tensão entre Teerã e Washington, evitaria que os iranianos consigam fabricar uma bomba atômica e, em troca, os americanos suspenderiam as sanções econômicas contra o país.

O anúncio foi feito no mesmo dia da chegada do secretário de Estado dos EUA, John Kerry, a Lausanne, na Suíça, para retomar as negociações com representantes iranianos. “Acreditamos que é possível (um acordo) até o dia 31”, afirmou um representando do Departamento de Estado americano à agência France Presse

No fim de semana, Kerry disse que “progressos substanciais” haviam sido obtidos nos últimos dias para garantir que o programa nuclear do Irã não permitisse o desenvolvimento de armas atômicas. No entanto, o americano afirmou que ainda havia diferenças importantes no caminho de um acordo. “As negociações progrediram muito. Temos a chance de fazer isso (o acordo) dar certo”, disse Kerry. “Mas ainda restam importantes questões a serem resolvidas.” 

Diferenças. O americano têm viajado incessantemente entre Suíça, onde ocorrem as negociações, Washington, para consultas com o presidente Barack Obama, e as principais capitais de países aliados. No sábado, Kerry esteve em Londres onde se encontrou com chanceleres de Grã-Bretanha, França e Alemanha.

O diplomata americano, que pediu para não ser identificado em razão do protocolo, disse ontem a jornalistas que viajam com Kerry que ainda há algumas diferenças entre o Irã e o grupo de seis potências (EUA, Grã-Bretanha, França, Rússia, China e Alemanha), mas que Washington busca um acordo o mais abrangente possível com o Irã. / AFP

Mais conteúdo sobre:
IRÃNUCLEARPRAZOEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.