REUTERS/Larry Downing
REUTERS/Larry Downing

EUA criam cargo para combater propagandas de jihadistas

Ex-assessor de Obama ocupará posição e deverá coordenar esforços com Washington para impedir recrutamento de jovens

O Estado de S. Paulo

19 de fevereiro de 2015 | 11h59


WASHINGTON - O Departamento de Estado dos Estados Unidos anunciou na quarta-feira a criação de um cargo que terá a função de "desacreditar a propaganda de terroristas", especialmente do Estado Islâmico (EI), dentro da estratégia do governo de Barack Obama para combater o grupo jihadista.

O cargo é o de enviado especial e coordenador para comunicações estratégicas contra o terrorismo e será ocupado por Rashad Hussain, um ex-assessor de Obama, informou o Departamento de Estado em comunicado.

Hussain coordenará "os esforços do governo dos EUA para desacreditar a propaganda dos terroristas e degradar sua capacidade de disseminar mensagens e recrutar combatentes, com um enfoque particular no EI", detalhou a Casa Branca em outro comunicado.

O funcionário liderará uma equipe "formada a partir de vários departamentos e agências dos EUA para aumentar a coordenação e as alianças internacionais a fim de resistir ao extremismo violento e desenvolver comunicações estratégicas contra o terrorismo no mundo", ressaltou o Departamento de Estado.

Desde 2010, Hussain trabalha como enviado especial dos EUA na Organização para a Cooperação Islâmica (OIC, em inglês) e em 2009 esteve envolvido no desenvolvimento da estratégia de Obama para o mundo árabe.

Além da nomeação de Hussain, a Casa Branca afirmou que os EUA os Emirados Árabes Unidos trabalharão juntos para "estabelecer um centro de comunicações digitais que enfraqueça a propaganda do EI e seus esforços de recrutamento, tanto diretamente como por meio da relação com a sociedade civil e os líderes religiosos e comunitários".

O Departamento de Estado também lançará uma iniciativa para encorajar "estudantes universitários nos EUA, Canadá, norte da África, Oriente Médio, Europa, Austrália e Ásia a desenvolver conteúdos digitais que minem as mensagens dos extremistas", explicou a Casa Branca.

O governo de Obama confia que a cúpula internacional contra o extremismo que termina nesta quinta-feira, 19, em Washington sirva para "identificar formas concretas" de "resistir à perversa mensagem dos extremistas", especialmente na Internet, segundo a residência presidencial americana. /EFE

Tudo o que sabemos sobre:
EUABarack Obamaterrorismojihadismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.