EUA criaram grupo para atacar Irã, diz <i>The New Yorker</i>

O Pentágono criou um grupo especial para planejar um ataque com bombas contra o Irã, que entraria em funcionamento 24 horas após receber o sinal verde do presidente americano, George W. Bush, segundo reportagem da edição de domingo, 25, da revista The New Yorker. A edição da revista, que será publicada em 4 de março, foi adiantada por diversos meios de comunicação americanos. A publicação ressalta que o grupo criado depende do Estado-Maior conjunto dos Estados Unidos. No entanto, Bryan Whitman, porta-voz do Pentágono, disse que "os Estados Unidos não devem ir à guerra com o Irã. Sugerir qualquer coisa contra é errado".Os EUA foram "muito claros em relação a suas preocupações em relação às atividades específicas do governo iraniano. O presidente (Bush) reiterou publicamente que trabalharemos com nossos aliados na região para tratar estas preocupações através dos esforços diplomáticos", acrescentou.A revista, que cita como fonte um alto oficial do Exército, afirma que o grupo especial foi criado há alguns meses para concentrar-se no planejamento da destruição das instalações nucleares iranianas e derrubar o governo de Teerã.No entanto, um grupo recentemente foi encarregado de identificar alvos noIrã que estariam envolvidos em fornecer ou ajudar militantes noIraque, segundo um assessor das Forças Aéreas e um consultor doPentágono, citados - sob o anonimato - pela The New Yorker.O vice-presidente dos EUA, Dick Cheney, disse no sábado em uma conferência em Sydney, depois de se reunir com o primeiro-ministro australiano, John Howard, que "todas as opções estão sobre a mesa" em relação ao Irã."Tenho afirmado isso e o presidente (Bush) também, que todas as opções estão ainda sobre a mesa (...) e ainda está se debatendo qual será o próximo passo", disse Cheney.Os Estados Unidos, acrescentou, "estão profundamente preocupados" com as atividades do Irã."Vemos como uma nação que foi algo agressiva no Oriente Médio, e um promotor do Hezbollah (grupo armado libanês afim ao Irã)".A secretária de Estado americana, Condoleezza Rice, respondeu neste domingo, 25, ao presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, que esse país precisa de "um botão para deter" seu programa nuclear, e que está disposta a se reunir com seu colega iraniano se Teerã suspender suas atividades atômicas.A resposta direta de Rice chega depois de Ahmadinejad reiterar nesta ainda neste sábado, 24, que seu país não abandonará seu programa nuclear, ao afirmar que "o trem do desenvolvimento nuclear não tem freio nem marcha àré".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.