EUA criticam ampliação do arsenal bélico venezuelano

Os Estados Unidos disseram nesta sexta-feira que o programa de aquisição de armamentos da Venezuela vai muito além das necessidades do país.Na quarta-feira, o presidente venezuelano, Hugo Chávez, disse que o país planeja comprar 24 caças russos do modelo Sukhoi e construir uma fábrica de fuzis Kalashnikov.O porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, Sean McCormack, disse que autoridades americanas vão tentar convencer os russos a voltar atrás nas negociações com a Venezuela.A compra dos caças e a fabricação de fuzis "certamente vão além das necessidades (da Venezuela) com defesa, já que eles já têm compras dessas armas em trâmite ou concluídas", disse o porta-voz americano. Ele lembrou que a Venezuela comprou 100 mil fuzis AK-103 da Rússia. "Então porque produzir mais?", questionou.Chávez havia dito que seu país precisa de uma defesa forte, caso sofra ataques dos Estados Unidos. Segundo reportagem publicada na edição de hoje do Estado, a Venezuela já gastou US$ 3,2 bilhões entre navios, aviões cargueiros, radares, mísseis e canhões, impulsionada pela crescente receita proporcionada pela alta cotação do petróleo.A Venezuela defende seus gastos militares argumentando que necessita se defender de uma possível investida americana contra o país. Com sua retórica abertamente anti-EUA, o presidente venezuelano é um dos maiores inimigos do presidente George W. Bush na América Latina. Recentemente, Washington proibiu a venda de armamentos com tecnologia americana ao governo de Caracas, por considerar que o país sul-americano não se esforça suficientemente na luta contra o terrorismo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.