EUA criticam forma como Irã tratou militares britânicos

O governo dos EUA criticou nesta sexta-feira, 6, a forma como o Irã tratou os 15 militares britânicos capturados e depois libertados.As críticas apareceram depois de o país islâmico ter dito que os integrantes da Marinha inglesa poderiam ser condenados à prisão se não admitissem terem sido flagrados em águas territoriais iranianas.Os marinheiros britânicos contaram em uma entrevista coletiva realizada nesta sexta-feira, no Reino Unido, que seus olhos tinham sido vendados, que haviam sido amarrados e que foram mantidos em isolamento e advertidos sobre a possibilidade de serem condenados a até sete anos de prisão.Gordon Johndroe, porta-voz da Casa Branca, afirmou a repórteres reunidos perto do rancho do presidente dos EUA, George W. Bush, no Texas, que os iranianos não haviam apresentado um comportamento adequado em relação aos marinheiros, capturados no golfo Pérsico duas semanas atrás."É uma infelicidade o fato de os iranianos terem detido os marinheiros, já que eles estavam em águas iraquianas com autorização de um mandato da ONU. Então, quanto ao que os marinheiros disseram hoje (esta sexta) de manhã - é uma infelicidade e algo extremamente frustrante que tenham sido tratados de forma não apropriada", afirmou o porta-voz.Johndroe ainda conclamou o Irã a acatar as resoluções do Conselho de Segurança da ONU que determinam a suspensão do programa de enriquecimento de urânio do país. O programa, segundo potências ocidentais, estaria sendo usado como fachada para esforços de desenvolvimento de bombas atômicas. O Irã nega.O porta-voz repetiu que os EUA desejam resolver a crise de forma pacífica. "Não estamos alimentando o conflito com os iranianos", disse Johndroe.Na quinta-feira, por meio de aparelhos de videoconferência, Bush conversou durante uma hora com o primeiro-ministro da inglês, Tony Blair.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.