EUA criticam Israel por plano para colônias judaicas

O governo norte-americano criticou duramente Israel por causa de um novo plano para a construção de 3.000 habitações para judeus nas proximidades de uma colônia na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental.

AE, Agência Estado

03 de dezembro de 2012 | 16h01

Na avaliação do Departamento de Estado dos EUA, o plano é "especialmente prejudicial" aos prospectos para a retomada das negociações de paz entre palestinos e israelenses, além de contrariar a posição de Washington sobre o tema.

Os EUA são o principal aliado externo de Israel. Os palestinos, por sua vez, exigem a paralisação total das obras nos assentamentos judaicos construídos em territórios ocupados antes de voltarem a negociar com Israel.

Na última sexta-feira, apenas um dia depois de a Assembleia-Geral das Nações Unidas ter promovido a Organização para a Libertação da Palestina (OLP) de "entidade observadora" a "Estado observador", uma fonte no governo israelense anunciou os novos planos para Jerusalém Oriental e a colônia de Maaleh Adumim.

A fonte também divulgou que seriam iniciados planos de obras no setor E1, no extremo leste de Jerusalém Oriental. Considera-se que obras israelenses nessa área específica acabariam com qualquer possibilidade de um futuro Estado palestino com contiguidade territorial.

Mark Toner, porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, defendeu que tanto israelenses quanto palestinos devem parar de adotar medidas que prejudiquem esforços de paz. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAIsraelassentamentos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.