EUA criticam Israel por plano para colônias judaicas

O governo norte-americano criticou duramente Israel por causa de um novo plano para a construção de 3.000 habitações para judeus nas proximidades de uma colônia na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental.

AE, Agência Estado

03 de dezembro de 2012 | 16h01

Na avaliação do Departamento de Estado dos EUA, o plano é "especialmente prejudicial" aos prospectos para a retomada das negociações de paz entre palestinos e israelenses, além de contrariar a posição de Washington sobre o tema.

Os EUA são o principal aliado externo de Israel. Os palestinos, por sua vez, exigem a paralisação total das obras nos assentamentos judaicos construídos em territórios ocupados antes de voltarem a negociar com Israel.

Na última sexta-feira, apenas um dia depois de a Assembleia-Geral das Nações Unidas ter promovido a Organização para a Libertação da Palestina (OLP) de "entidade observadora" a "Estado observador", uma fonte no governo israelense anunciou os novos planos para Jerusalém Oriental e a colônia de Maaleh Adumim.

A fonte também divulgou que seriam iniciados planos de obras no setor E1, no extremo leste de Jerusalém Oriental. Considera-se que obras israelenses nessa área específica acabariam com qualquer possibilidade de um futuro Estado palestino com contiguidade territorial.

Mark Toner, porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, defendeu que tanto israelenses quanto palestinos devem parar de adotar medidas que prejudiquem esforços de paz. As informações são da Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
EUAIsraelassentamentos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.