EUA criticam proibição francesa de símbolos religiosos

Um funcionário do Departamento de Estado dos EUA manifestou a oposição da chancelaria americana a uma proposta francesa de proibir símbolos religiosos em escolas públicas, inclusive véus muçulmanos, solidéus e crucifixos.John Hanford, embaixador americano para assuntos de liberdade religiosa internacional, disse que o governo dos Estados Unidos acredita que "todas as pessoas devem poder praticar sua religião e suas crenças pacificamente sem interferência do governo, desde que o façam sem provocar ou intimidar outros membros da sociedade".Os comentários de Hanford foram feitos durante uma entrevista coletiva no Departamento de Estado para comentar a situação da liberdade religiosa em diversas partes do mundo.O presidente da França, Jacques Chirac, disse acreditar que a proibição de símbolos religiosos em instalações públicas é necessária para proteger a tradição secular da França. Segundo Hanford, da mesma forma de que o compromisso francês com o secularismo é inegociável, "nossa esperança é de que a liberdade religiosa também não seja negociável".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.