EUA criticam reconhecimento de Estado palestino por Brasil e Argentina

Não somos favoráveis a esta linha de conduta, diz porta-voz do departamento de Estado

estadão.com.br,

07 de dezembro de 2010 | 18h28

WASHINGTON - O departamento de Estado americano criticou nesta terça-feira, 7,  o reconhecimento da Palestina, anunciado por Brasil e Argentina, nos últimos dias. De acordo com o porta-voz P.J. Crowley, as negociações diretas entre as partes são a única maneira de alcançar a paz no Oriente Médio.

Veja também:

blog Gustavo Chacra: palestinos querem dar xeque-mate em Israel

blogMarcos Guterman: Passo histórico, mas relativo

blogRadar Global: Leia as cartas de Lula e Abbas

especialInfográfico: As fronteiras da guerra no Oriente Médio

forum Enquete: Qual a melhor solução para o conflito?

especial Linha do tempo: Idas e vindas das negociações de paz

"Não somos favoráveis a esta linha de conduta", disse Crowley em entrevista diária no departamento de Estado. "Qualquer ação unilateral é contraproducente".

O Brasil reconheceu o Estado palestino no último dia 3 e a Argentina no dia 6. A iniciativa partiu de um pedido do presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas. O Uruguai anunciou que deve fazer o mesmo em 2011.

Para as chancelarias latino-americanas, o reconhecimento não prejudica o processo de paz. Israel, no entanto, criticou a medida.

Com o fracasso das negociações diretas, analistas acreditam que a Autoridade Palestina deve buscar na Organização das Nações Unidas (ONU) o reconhecimento de seu Estado de maneira unilateral.      

O primeiro-ministro palestino, Salaam Fayyad, e o ministro da Defesa de Israel, Ehud Barak, se encontram com a secretária de Estado, Hillary Clinton, em Washington na próxima sexta-feira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.