EUA criticam Sharia no Paquistão

Os EUA fizeram ontem sua mais dura crítica ao acordo entre o governo paquistanês e o Taleban que permite a aplicação da Sharia (a lei islâmica) no Vale de Swat, no noroeste do Paquistão. Segundo o porta-voz da Casa Branca, Robert Gibbs, o acordo é uma afronta à democracia e aos direitos humanos. "A atual administração americana acredita que as estratégias para ampliar a segurança no Paquistão não devem incluir menos democracia e menos direitos humanos", disse Gibbs. "Esse acordo vai contra esses princípios." Depois de um ano e meio de violentos confrontos, o Taleban e o governo paquistanês chegaram a um acordo no qual Islamabad concordou em aceitar a imposição da Sharia no Vale do Swat em troca de um cessar-fogo do grupo. Mas o Taleban paquistanês afirmou ontem que não só não pretende entregar suas armas no Vale do Swat, mas também quer levar sua luta a outras regiões do país.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.