EUA dão incentivo aos imigrantes que ajudam na luta antiterror

Os estrangeiros que fornecerem ao governo dos EUA informações úteis sobre terroristas poderão receber prioridade no processo de aquisição de cidadania, de acordo com um programa anunciado hoje. O secretário norte-americano de Justiça, John Ashcroft, ofereceu o incentivo ao mesmo tempo que justificava a severidade do governo na guerra interna contra o terrorismo, especialmente a decisão de permitir a criação de tribunais militares para julgar secretamente os acusados de ações terroristas. Ashcroft disse que o governo fornecerá assistência para a obtenção dos vistos e um "caminho para a cidadania" aos imigrantes, incluindo os clandestinos "responsáveis", ou seja, que ajudarem as autoridades na guerra contra o terror. O "Programa de Colaboradores Responsáveis" suspende indefinidamente a expulsão dos estrangeiros sem documentos que cooperarem, e permitirá a entrada no país dos que estivessem com problemas de vistos. Caberá aos procuradores federais decidir se a informação fornecida satisfaz ou não aos requisitos, disseram funcionários do Departamento de Justiça. Em várias entrevistas, Ashcroft justificou a criação dos tribunais militares extraordinários acrescentados ao arsenal do governo - uma tática cuja adoção, segundo alguns legisladores, não faz parte das prerrogativas do presidente George W. Bush. De acordo com o secretário de Justiça, os julgamentos públicos dos terroristas poderiam ventilar segredos de inteligência, dar-lhes uma arma de propaganda e tornar os tribunais civis mais vulneráveis aos ataques terroristas. Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.