EUA dão uma semana para Israel destruir o Hezbollah

Os Estados Unidos está dando uma semana para que Israel destrua o poderio militar do Hezbollah, afirmaram fontes britânicas, européias e israelenses aos jornais The Guardian e The New York Times. Segundo os jornais o segundo passo é enviar a Secretária de Estado Condoleeza Rice à região e, possivelmente, forças da ONU para monitorar as fronteiras do Líbano e evitar que a milícia tenha acesso a mais mísseis.A guerra entre Israel e a milícia xiita do Hezbollah entrou no oitavo dia sem que nenhuma das partes se mostre disposta a cogitar uma trégua, que ponha fim à violência que já causou mais de 250 mortos no Líbano e no Estado hebreu. Na manhã desta quarta-feira tropas terrestres israelenses entraram em território do sul Líbano com a missão de destruir bases do Hezbollah. O exército de Israel não informou o número de soldados que participa da incursão, se limitando a dizer que está preparado para lutar por várias semanas. Fontes do Hezbollah, por sua vez, disseram que o grupo xiita está disposto a lutar "até a morte".Os bombardeios da aviação israelense concentrados nas últimas horas no sul do Líbano e no vale do Bekaa, no leste do país, deixaram cerca de 30 mortos, segundo fontes libanesas. As fontes, citadas pela rádio Voz do Líbano Livre, afirmaram que o ataque mais letal foi o que atingiu Srifa, a 30 quilômetros de Tiro. Morreram 21 pessoas e cerca de 30 estão feridas. Segundo as fontes, os bombardeios reduziram diversas casasa ruínas. Em Sala, no vale do Bekaa, uma sede das obras sociais do Hezbollah foi bombardeada e cinco pessoas morreram. Em Sultan Ayub, no sul, o alvo foi um acampamento da Frente Popular para a Libertação da Palestina. Uma pessoa morreu e duasforam feridas. Outros bombardeios atingiram Gaziyeh, no sul e Ermesh, com um morto em cada localidade. Os últimos bombardeios aéreos e marítimosisraelenses no sul do Líbano, desferidos nesta quarta-feira, se estenderam a áreas de maioria cristã. Muitas das vítimas estão soterradas sob os escombros. Vários caminhões de transporte de mercadorias, os novos alvos israelenses, foram incendiados. Um pouco antes, mísseis caíram no bairro cristão de Hadeth, ao sul da capital, onde começou um incêndio junto a uma grande cruz erguida no local, informou a rede New TV. A aviação israelense também bombardeou a estrada CamilleChamun, que liga Hadeth a Semaan. Outros ataques atingiram a região de Chueifat, ao sudeste da capital libanesa. Vários caminhões de transporte de mercadorias, os novos alvos israelenses, foram incendiados. O aeroporto internacional Rafik Hariri, desativado desde o começo da ofensiva militar contra o Líbano, foi bombardeado mais uma vez. Na noite de terça-feira, os corpos de seis membros de uma família foram retirados dos escombros de uma casa em Cana. A busca de outros corpos continua na localidade, situada no sul do país. Não há um número oficial de vítimas. Porém, na terça-feira, ao meio-dia, uma fonte militar afirmou que já eram mais de 200 mortos e 500feridos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.