EUA defendem adoção de novas sanções contra o Irã

Embaixador americano diz que há consenso no Conselho de Segurança da ONU em aprová-las, apesar de Moscou e Pequim indicarem o contrário

Mariana Della Barba, O Estadao de S.Paulo

17 de novembro de 2007 | 00h00

O novo relatório da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), divulgado na quinta-feira, abre caminho para a imposição de um terceiro pacote de sanções contra o Irã, que dessa vez receberia o apoio de China e Rússia. A opinião é do embaixador dos EUA na AIEA, Greg Shulte. "Já é hora de novas sanções contra o Irã", disse o diplomata americano ao Estado em entrevista, por videoconferência, de seu escritório em Viena. "O documento deixou claro que os iranianos não estão cooperando com a AIEA como deveriam e não suspenderam suas atividades nucleares, já que foi comprovado que o país tem 3 mil centrífugas", disse Shulte. "Além disso, as informações que eles divulgaram são antigas, dos anos 80 e 90, e não sobre suas atividades nucleares recentes."Essas conclusões, segundo o embaixador, justificam novas sanções contra o país, que dessa vez não encontrarão obstáculos dos chineses e russos (membros permanentes do Conselho de Segurança (CS) da ONU, juntamente com Grã-Bretanha, EUA e França), que costumam vetar as propostas de sanções."Não será uma tarefa difícil convencer China e Rússia a aprovarem novas sanções, já que eles mesmos haviam indicado que, a menos que o relatório fosse positivo, eles seriam favoráveis (às punições)", afirmou. No entanto, Pequim e Moscou deram ontem sinais de que podem se opor às sanções. De um lado, os chineses anunciaram que não participarão da reunião do CS, que aconteceria na segunda-feira, para discutir o assunto. De outro, a Rússia indicou que irá fornecer combustível para a instalação nuclear de Bushehr, construída pelos próprios russos no Irã. Mesmo sem que a AIEA jamais tenha comprovado que o programa nuclear iraniano tem fins bélicos, como acusam os EUA, Shulte não vê problemas em impor mais sanções. "O Irã permite o acesso da AIEA somente a algumas de suas instalações nucleares, o que torna impossível verificar a real situação, mesmo após quatro anos de investigações."Para o embaixador, ninguém acredita nas justificativas iranianas, já que o país insiste em esconder suas instalações e recusa-se a seguir as indicações do CS. Ele ressalta que o objetivo das sanções não é penalizar os iranianos. "A idéia é aumentar a pressão para reforçar a diplomacia e mostrar que eles têm de negociar."Shulte diz que Teerã pode desenvolver uma bomba atômica entre 2001 e 2015. "O que nos dá bastante tempo para diplomacia, mas não para complacência", afirmou. Citando o trecho do relatório da AIEA que diz que o Irã aumentou a transparência em relação à divulgação de algumas informações, o presidente Mahmud Ahmadinejad disse que "já está na hora de os EUA admitirem que erraram". "Como suas acusações eram falsas, agora eles têm de se desculpar." COM REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.