Samuel Corum/EFE
Samuel Corum/EFE

EUA iniciam saída formal da OMS e Biden promete reverter decisão se vencer em novembro

Retirada será efetiva em um ano; candidato democrata afirma no Twitter que americanos estão mais seguros quando se comprometem a fortalecer saúde global

Redação, O Estado de S.Paulo

07 de julho de 2020 | 16h00
Atualizado 07 de julho de 2020 | 18h39

WASHINGTON - O governo Donald Trump iniciou formalmente a retirada dos Estados Unidos da Organização Mundial da Saúde (OMS), cumprindo as ameaças que fez em várias ocasiões ao criticar a entidade por sua resposta à pandemia, informaram várias autoridades nesta terça-feira, 7. A retirada será efetiva em um ano - 6 de julho de 2021.

O candidato democrata à Casa Branca, Joe Biden, disse que, se vencer as eleições para a presidência dos EUA em novembro reverterá imediatamente a decisão.  

"Os americanos estão mais seguros quando os Estados Unidos se comprometem a fortalecer a saúde global. No meu primeiro dia como presidente, voltarei à @WHO (OMS) e restaurarei nossa liderança no cenário mundial", escreveu Biden no Twitter.

Os EUA são o maior doador da OMS, uma agência que lidera a luta global contra doenças como poliomielite, sarampo e também contra epidemias de saúde mental.

Trump acusou a OMS de encobrir a magnitude da pandemia de coronavírus e disse que as posições da organização estão muito próximas da China, onde o vírus surgiu em dezembro e um país que ele também culpa por sua disseminação.

Após várias ameaças de Trump de suspender contribuições da ordem de US$ 400 milhões anualmente, o presidente dos EUA finalmente notificou o secretário-geral da ONU, António Guterres, de que seu país está começando a retirada do organismo, informou um porta-voz do Departamento de Estado.

Os EUA são o país com mais mortes por coronavírus, com mais de 130.306 mortes e enfrentando um aumento de infecções no sul e oeste do país.

Um pouco antes, o senador Robert Menendez, principal democrata na Comissão de Relações Exteriores, informou que o presidente Trump havia notificado ao Congresso da decisão. 

"O Congresso recebeu uma notificação de que o POTUS (presidente dos EUA) retirou oficialmente os EUA da @OMS no meio de uma pandemia", escreveu no Twitter o senador.  "Isso não vai proteger a vida ou os interesses dos americanos."/AFP 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.