Rafael Trobat/AP
Rafael Trobat/AP

EUA denunciam fraude na eleição da Nicarágua

Departamento de Estado divulgou nota após o candidato da oposição, Fábio Gadea, anunciar que não reconhece o resultado das urnas

DENISE CHRISPIM MARIN , CORRESPONDENTE / WASHINGTON, O Estado de S.Paulo

11 de novembro de 2011 | 03h01

WASHINGTON - Os EUA declararam ontem que ocorreram fraudes e irregularidades na eleição de domingo na Nicarágua, na qual o presidente Daniel Ortega foi reeleito com 63% dos votos. O Departamento de Estado divulgou nota após o candidato da oposição, Fábio Gadea, anunciar que não reconhece o resultado das urnas. Para os EUA, o "Conselho Eleitoral Supremo do país não foi parcial nem transparente" ao permitir a disputa de Ortega. Antes da eleição, disse o texto, houve falhas no credenciamento de observadores locais e dificuldades para os cidadãos terem acesso ao título eleitoral. Durante o processo, observadores foram proibidos de visitar sessões eleitorais.

Na próxima semana, o Conselho Permanente da Organização dos Estados Americanos deverá analisar o relatório do ex-chanceler argentino Dante Caputo, líder da missão de observação da eleição da OEA. O texto deverá detalhar as mesmas irregularidades apontadas na nota do Departamento de Estado. Em 2008, Washington cancelou o envio de US$ 62 milhões em ajuda para o desenvolvimento da Nicarágua, sob a alegação de fraudes nas eleições municipais.

Tudo o que sabemos sobre:
NicaráguaEleiçõesFraude

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.