EUA deportam suposto líder mafioso para a Itália

As autoridades italianas assumiram neste sábado a custódia do suposto líder mafioso Rosario Gambino, de 67 anos, deportado dos EUA depois de cumprir penas em prisões norte-americanas por mais de 20 anos, por tráfico de drogas.

AE-AP, Agencia Estado

23 de maio de 2009 | 18h52

Rosario Gambino, nascido na Itália, mas residente em Nova Jersey, era considerado um dos líderes da família mafiosa liderada por seu falecido primo Carlo Gambino. Em 1984, ele foi condenado a 45 anos de prisão na operação policial "operação Pizza", por ser um dos chefes de uma organização com faturamento de US$ 1,6 bilhão que vendia heroína em pizzarias de Nova Jersey.

Libertado em 2007, ele foi transferido para um centro de detenção de imigrantes ilegais na Califórnia. Desde então, ele recorreu várias vezes a tribunais de recursos, na tentativa de evitar sua extradição para a Itália.

Gambino era procurado na Itália desde 1980, sob acusações de tráfico de drogas e participação em organizações mafiosas. Antes de ele ser transferido para um presídio em Roma, as autoridades lhe apresentaram a ordem original de prisão, assinada em 1980 pelo juiz Giovanni Falcone, um dos magistrados italianos mais conhecidos por sua ação contra a Máfia. Falcone foi assassinado por mafiosos sicilianos em 1992 e a volta de Gambino à Itália coincidiu com o aniversário do assassinato.

Tudo o que sabemos sobre:
violênciamáfia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.